|

"Grândola Vila Morena" silencia Passos Coelho

15 fev, 2013

Populares que estavam nas galerias da Assembleia da República começaram a cantar a música de Zeca Afonso.

O debate quinzenal, a decorrer no Parlamento, foi interrompido por elementos do Movimento que se Lixe a Troika quando começaram a cantar "Grândola Vila Morena". Entre os populares estavam o advogado Garcia Pereira e o músico Carlos Mendes.

Paula Gil, do movimento, disse que este "foi um acto simbólico para mostrar que o povo é quem mais ordena".

Quando as vozes se calaram, o primeiro-ministro reagiu dizendo: "De todas as formas para interromper a sessão esta parece-me significativamente a de mais bom gosto".

O conjunto de cerca de 30 pessoas foram depois levados a abandonar as galerias reservadas ao público, de onde assistiam ao debate.

Simultaneamente, a esta acção na Assembleia da República, foi enviado às redacções um comunicado do movimento onde é explicado que "a música de José Afonso foi a escolhida para transportar de volta ao local onde se legisla para todos o sentimento de que é necessário outro caminho, que é necessário que haja uma democracia que corresponda às necessidades do povo e não das instâncias internacionais a comandar os destinos do país".

"Esta acção de protesto levou para dentro da Assembleia da República o descontentamento generalizado que se sente nas ruas perante a situação inadmissível em que este governo e a 'troika' internacional colocaram este país, em queda livre com o maior desemprego de sempre e com uma recessão acima dos 3% ", lê-se ainda no texto.

O Partido Ecologista "Os Verdes" abriu hoje, no Parlamento, o debate quinzenal com Pedro Passos Coelho com uma intervenção de abertura dedicada a "matérias sociais e económicas".