|
Lisboa

António Costa considera um "absoluto disparate" encerrar Metro à noite

29 out, 2011

Presidente da Câmara lamenta ter sido informado desta possibilidade pelos jornais e não pelo ministro Álvaro Santos Pereira.

António Costa considera um "absoluto disparate" encerrar Metro à noite
António Costa considera um "absoluto disparate" encerrar Metro à noite
A notícia chegou à comunicação social - o governo estará a estudar a hipótes de o Metro de Lisboa encerrar todas as linhas às 23 horas e algumas estações às 21 horas. Questionado sobre esta possibilidade, António Costa considerou-a um "absoluto disparate" e salientou que estas medidas, que considera "vitais para a cidade", têm de ser discutidas com a câmara.
O presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, considerou hoje um "absoluto disparate" o eventual encerramento do Metropolitano de Lisboa à noite e mostrou-se desagradado por saber destas notícias pelos jornais e não pelo Governo.

"Já que a questão foi colocada na comunicação social também gostaria de dizer através da comunicação social que considero um absoluto disparate o encerramento dos transportes públicos mais cedo no período nocturno", disse o autarca aos jornalistas à margem da inauguração do primeiro parque hortícola de Lisboa.

Na sexta-feira, fonte do Metropolitano de Lisboa disse à Lusa que o grupo de trabalho criado para estudar a reforma dos transportes públicos apresentou à empresa uma sugestão de encerrar a rede à noite.

António Costa ressalvou ainda que "será um erro" o encerramento dos transportes públicos ao "fim de semana onde, como se sabe, no centro da cidade há uma grande movimentação de pessoas e onde é absolutamente essencial o transporte público até mais tarde para se evitar as situação gravíssimas de circulação, designadamente na zona do Bairro Alto, Alcântara e Santos".

O presidente da Câmara de Lisboa criticou o Governo por não o ter informado desta possibilidade, afirmando que a autarquia "deve conhecer os assuntos vitais para a cidade directamente por via do governo e não através comunicação social".

"Mais estranho porque ministro que tutela os transportes, tem tido contactos frequentes comigo e acho lamentável que isso se trate através da comunicação social e não através do Governo", acrescentou.