|

Coligação PSD/CDS "não faz promessas fáceis, ilusões ou facilidades"

16 mai, 2015

Passos Coelho e Paulo Portas assinaram acordo para as legislativas em Guimarães.

Coligação PSD/CDS "não faz promessas fáceis, ilusões ou facilidades"

O presidente do PSD garante que a coligação com o CDS não entra no leilão das promessas fáceis, ilusões ou facilidades, prometendo responsabilidade, prudência e exigência e criticou quem acha que tem "um direito natural a governar".

Pedro Passos Coelho discursou em Guimarães depois da assinatura do acordo de coligação com o CDS para as próximas legislativas.

O líder social-democrata foi peremptório ao afirmar que os dois partidos não oferecem "aos portugueses um caminho de promessas fáceis, de ilusões nem de facilidades" e que não vão entrar "seguramente por esse leilão".

"As pessoas sabem com o que podem contar da nossa parte: com responsabilidade, com prudência, com exigência. É desta massa que será feita a recuperação do nosso país", enfatizou.

O primeiro-ministro deixou ainda uma palavra para o PS liderado por António Costa, sublinhando que "muitos meses depois de acção do Governo e de acção da nova oposição parece que pela oposição se começa a perguntar se a vitória está assim tão adquirida".

"Começa-se mesmo a perceber no país que o resultado das eleições não está fechado. Desenganem-se aqueles que acham que têm um direito natural a governar", atirou.

Já o presidente do CDS, Paulo Portas, afirmou que a coligação assenta no "interesse nacional", salientou que a missão de tirar o país da bancarrota está cumprida e acusou a oposição de prometer apenas ilusões.

Portas salientou que cada um dos partidos tem "valores próprios" e "princípios diferentes" mas que Portugal e os portugueses são razões acima de "todas as outras".

O líder centrista, também vice-presidente do Governo, acusou o PS de "falta de humildade" por não ter reconhecido os "gravíssimos erros" que levaram Portugal a pedir ajuda à troika e afirmou que "não há necessidade " de deitar "tudo fora" e "voltar à casa de partida".