|

Passos Coelho “perplexo” com divulgação de dados pessoais em ano eleitoral

28 fev, 2015

O jornal “Público” diz em manchete que o primeiro-ministro esteve cinco anos sem pagar Segurança Social. Gabinete de passos responde dizendo que Passos pagou voluntariamente uma dívida prescrita em 2009.

Pedro Passos Coelho está “perplexo” com o facto de a imprensa ter tido acesso a dados sigilosos “relativos à sua carreira contributiva, os quais nunca lhe foram oportunamente transmitidos pelas vias oficiais, e para o facto de estes serem agora manipulados e objecto de divulgação pública em ano eleitoral.”

Numa nota divulgada pelo seu gabinete, Passos Coelho comenta a notícia que faz manchete do Público este sábado, indicando que o primeiro-ministro esteve cinco anos sem pagar à Segurança Social, acumulando uma dívida de cerca de 2000 euros, que liquidou, de forma voluntária, recentemente, apesar de a mesma ter prescrito em 2009.

Segundo a nota, em 2012 Passos Coelho questionou a Segurança Social sobre a sua situação. Foi-lhe dito que estava regularizada, mas “foi-lhe igualmente respondido que estava registada a quantia de 2.880,26 € (acrescida de juros de mora à taxa legal em vigor), já prescrita em 2009, a qual poderia ser paga a título voluntário e a qualquer momento para efeito de constituição de direitos futuros, desde que o contribuinte não optasse por invocar a sua prescrição.”

Foi essa a escolha do primeiro-ministro, informa a nota, que tinha pensado fazer o pagamento apenas depois de terminado o seu mandato, mas acabou por o fazer antes, “pretendendo assim por termo às acusações infundadas sobre a sua situação contributiva”.