O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.

António Costa disponível para liderar PS

27 mai, 2014

"Seria imperdoável perante a minha consciência se não estivesse disponível", afirmou o presidente da Câmara de Lisboa.
António Costa disponível para liderar PS
António Costa, presidente da Câmara de Lisboa, anunciou estar disponível para discutir a liderança do Partido Socialista.

O autarca falava aos jornalistas no final de uma cerimónia da inauguração do monumento de homenagem a Maria José Nogueira Pinto, na Ribeira das Naus, em Lisboa.

"Seria imperdoável perante a minha consciência se não estivesse disponível. Sinto que é meu dever corresponder aquilo que eu lancei e que eu sinto ser aquilo que os socialistas e de muitos cidadãos que não sendo socialistas acham que eu posso e tenho o dever de dar o contributo ao país", declarou.

"Estou disponível para tudo e falarei amanhã [quarta-feira] com o secretário-geral. Estou disponível, não quero que haja qualquer tabu, qualquer equívoco, eu estou disponível para assumir as minhas responsabilidades", disse António Costa.

O actual presidente da câmara lisboeta defendeu que "Portugal precisa de uma solução de governo forte que garanta a mudança".

Afirmando que irá estar presente na comissão nacional do PS, sábado, em Torres Vedras, António Costa escusou-se a avançar com o pedido de um eventual congresso extraordinário por considerar que essa é uma decisão que cabe ao partido.

"A forma é uma questão que o PS definirá qual seja, quero discutir isso com o secretário-geral. A última coisa que o PS pode fazer e deve fazer é um processo que não seja claro, transparente, que una o partido", frisou.

De acordo com os estatutos do PS, as eleições de um novo líder fazem-se em congresso que, para ser marcado extraordinariamente, tem de ser convocado pela Comissão Nacional, pelo secretário-geral ou pela maioria das comissões políticas de federações que representem também a maioria dos membros inscritos no partido.

O PS venceu as eleições europeias deste domingo com 31,45% dos votos mas, de acordo com muitos analistas políticos, a vitória foi reduzida.

"Não correspondeu à vitória histórica que o PS tem de ambicionar", considerou esta terça-feira António Costa que, logo na noite das eleições, reconhecia que a vitória sabia a pouco.

Já em Janeiro de 2013, António Costa ameaçou candidatar-se à liderança do partido. “Ou unes o partido ou eu candidato-me”, terá dito o autarca durante uma reunião da Comissão Política, quando se avistavam eleições autárquicas em Outubro. No fim do encontro, Costa acabou por recuar.