|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

Passos Coelho apela a acordo com PS para “clima de união nacional”

26 jul, 2013

Primeiro-ministro volta a defender a importância de um consenso político alargado para enfrentar os problemas do país.

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, apelou esta sexta-feira a um acordo e convergência de objectivos com o PS, para além da actual legislatura, que termina em 2015, de modo a conseguir um clima de união nacional.

“Desde que tenhamos os pés assentes na terra e sejamos realistas - quer dizer, não comecemos a estabelecer objectivos que estão manifestamente para além daquilo que as condições nos permitem -, então é possível vencer e ultrapassar obstáculos e conseguir um clima de união nacional, não é de unidade nacional, é de união nacional, que permita essa convergência”, disse Passos Coelho, discursando em Pombal na sessão solene de abertura das Festas do Bodo.

O primeiro-ministro sublinhou que o actual quadro fiscal, que classificou de “adverso às empresas”, necessita de ser melhorado.
“Mas não conseguimos fazer isso de um ano para o outro, não é possível. Não poderíamos agravar ainda mais o IRS para compensar alguma perda de rendimento que resultaria dos impostos para as empresas”, sustentou.

No entanto, de acordo com o chefe do Governo, se Portugal tiver um compromisso “entre todos a médio e longo prazo, um compromisso que seja credível, que toda a agente acredite que será atingido, então é possível que os investidores possam beneficiar dessa previsibilidade e investir no futuro”.

“Nós poderemos ir tão longe nessa matéria quanto formos capazes de entendimento com o principal partido da oposição”, acrescentou, assegurando que procurará esse entendimento.