|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

Passos Coelho

"Governo fez em dois anos o que ninguém fez nos últimos 15"

04 mai, 2013

Em Pombal aproveitou para para pedir responsabilidade aos que têm criticado o Executivo. "Deixem de semear o medo e de incitar à revolta no país”, lançou.

"Governo fez em dois anos o que ninguém fez nos últimos 15"
O primeiro-ministro insiste na necessidade de entendimento sobre a reforma do Estado. Num encontro com militantes sociais-democratas em Pombal, este sábado à tarde, Pedro Passos Coelho insistiu nos bons resultados conseguidos até aqui.

“Há 30 anos que oiço falar da necessidade de reformar o sector empresarial do Estado, de conter as despesas públicas e de dar racionalidade aos impostos dos cidadãos. Durante anos muita gente falou, mas nós conseguimos fazer nestes dois anos o que ninguém faz nos últimos quase 15 anos”, afirmou perante cerca de 600 militantes sociais-democratas, lembrando ainda que conseguiram reduzir o défice para metade.

Passos Coelho aproveitou para pedir responsabilidade aos que têm criticado o Governo. “Aproveito para dirigir a todos os que intervêm no espaço público que tenham um sentido de responsabilidade, no momento que atravessamos, e que deixem de semear o medo e de incitar à revolta no país”.

O primeiro-ministro pediu um amplo entendimento na sociedade portuguesa para que os progressos que o país venha a fazer sejam duradoiros e não estejam dependentes apenas dos humores e da vontade dos governos. Nesse sentido, reafirmou que o Governo está disponível para consensos, em concreto com o PS, e desafiou os socialistas a apresentarem alternativas aos cortes divulgados na sexta-feira.

Em resposta ao resposta a António José Seguro que ontem, na entrevista à TVI, disse que o “Governo estava a conduzir o Portugal contra a parede”, o governante sublinhou que o país já o fez há dois anos.

“O que estamos a fazer é empurrar essa parede com tanta força que a consigamos remover da nossa frente para abrir um horizonte de esperança a Portugal”, rematou.