O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|

Portugal fora da reunião com Monti para falar do euro

17 set, 2012 • Daniel do Rosário e Eunice Lourenço

Primeiro-ministro italiano reúne-se com países em dificuldades, mas Passos Coelho não vai por motivos de agenda.
O primeiro-ministro italiano, Mário Monti, recebe na sexta-feira (dia 21) os seus homólogos da Grécia, da Irlanda e de Espanha para uma reunião sobre a crise e o futuro do euro. Portugal fica de fora. O primeiro-ministro Pedro Passos Coelho foi convidado, mas recusou por motivos de agenda.

No dia do encontro, Passos Coelho tem debate quinzenal de manhã na Assembleia da República e, à tarde, tem a reunião do Conselho de Estado, convocada pelo Presidente, Cavaco Silva.

Ao que a Renascença apurou junto do gabinete do primeiro-ministro italiano, a presença de Passos Coelho em Roma nunca esteve prevista, mesmo antes da convocatória do Conselho de Estado e do agravar da crise política em torno das últimas medidas de austeridade do Governo.

Os chefes dos Governos de Itália, Espanha, Grécia e Irlanda – países na linha da frente da crise do euro – deslocam-se à capital italiana para participar numa reunião da Internacional Democrata-Cristã.

O primeiro-ministro italiano aproveitou a ocasião para convidar os seus homólogos europeus para um almoço em que vão estar também presentes os primeiros-ministros da Hungria e da Albânia.

Mário Monti tem assumido, ao nível europeu, a defesa de formas alternativas para sair da crise, nomeadamente recusando a austeridade como instrumento principal. Se não fosse a ausência de Portugal, esta seria a primeira vez que os líderes dos países mais afectados pela crise do euro se encontrariam ao mais alto nível.

No passado, Portugal distanciou-se também de uma iniciativa de Mário Monti para promover uma política de crescimento na Europa. Na ocasião, o governante italiano reuniu-se com os mesmos países que participam na reunião de sexta-feira.