O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|

NATO anuncia maior reforço de segurança desde a Guerra Fria

05 fev, 2015

Organização responde à "agressão" da Rússia à Ucrânia.
A Aliança Atlântica vai criar seis centros de comando na Europa de Leste e uma nova força de reacção rápida de cinco mil homens. O secretário-geral da NATO classifica como "o maior reforço militar desde a Guerra Fria". É a resposta da NATO à "agressão" da Rússia à Ucrânia. Esta força "deve ter a capacidade para responder em apenas alguns dias a qualquer crise emergente", sublinhou Stoltenberg.

A Aliança Atlântica vai criar seis centros de comando na Europa de Leste e uma nova força de reacção rápida de cinco mil homens. O secretário-geral da NATO classifica como "o maior reforço militar desde a Guerra Fria".

Jens Stoltenberg afirma que este reforço de segurança é a resposta à "agressão" da Rússia à Ucrânia, com a ocupação da península da Crimeia e o apoio aos rebeldes da região de Donetsk.

"Nós concordámos em aumentar as forças de resposta da NATO e decidimos que esta força de elevada prontidão vai consistir numa brigada de cerca de cinco mil homens. Isto vai ser suportado por ar, mar, e pelas forças especiais para nos assegurarmos que temos as forças certas nos locais certos no momento certo", disse Jens Stoltenberg.

França, Alemanha, Itália, Espanha, Polónia e Reino Unido vão assumir a responsabilidade por esta nova força de mobilização rápida. Os novos comandos serão implementados na Bulgária, nos países do Báltico, na Polónia e na Roménia.

Esta força "deve ter a capacidade para responder em apenas alguns dias a qualquer crise emergente", sublinhou Stoltenberg, numa referência à força de elite de cinco mil homens integrada na nova estrutura com um total de 30 mil militares.