|

Estado Islâmico terá decapitado um refém britânico

13 set, 2014

É a terceira vítima dos terroristas. David Haines foi raptado no ano passado na Síria.

Estado Islâmico terá decapitado um refém britânico
Estado Islâmico terá decapitado um refém britânico
Os jihadistas do Estado Islâmico terão decapitado o terceiro refém que tinham em seu poder. Os terroristas lançaram mais um vídeo este sábado em que alegadamente matam o britânico David Haines. A informação foi avançada pela Reuters, que cita a SITE, uma organização que monitoriza sites terroristas. No vídeo deste sábado, os jihadistas ameaçam outro britânico de nome Alan Henning.

Os jihadistas do Estado Islâmico terão decapitado o terceiro refém que tinham em seu poder. Os terroristas lançaram mais um vídeo este sábado em que alegadamente matam o britânico David Haines. A informação foi avançada pela Reuters, que cita a SITE, uma organização que monitoriza sites terroristas.

O Estado Islâmico já tinha decapitado os jornalistas James Foley e Steven Sotloff, em represália pelo ataque dos Estados Unidos contra a organização no norte do Iraque.

O escocês Haines, de 44 anos, foi raptado em Março de 2013 no campo de refugiados de Atmeh, na Síria, quando trabalhava para a agência francesa ACTED.

O vídeo, entitulado "Uma mensagem para os aliados da América", abre com declarações do primeiro-ministro David Cameron a garantir que o país vai trabalhar com o Governo iraquiano e com as forças curdas para combater o Estado Islâmico.

"Este britânico vai ter que pagar o preço pela tua promessa, Cameron, para armas os Peshmerga", diz um homem mascarado e vestido de preto. O assassino tem sotaque britânico e parece ser o mesmo que matou os outros dois decapatidos.

Haines aparece ajoelhado com roupa cor-de-laranja, igual à que usam os detidos em Guantanamo. O vídeo mostra depois a decapitação, segundo a Reuters.

No vídeo deste sábado, os jihadistas ameaçam outro britânico de nome Alan Henning.

A decapitação surge no dia em que a família de Haines lançou uma mensagem aos terroristas através do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido. "Somos a família de David Haines. Enviámo-vos mensagens mas não recebemos respostas. Pedimos a quem tenha o David sequetrado que se ponha em contacto connosco", pediram os familiares.

O primeiro-ministro britânico já reagiu. David Cameron disse, através de comunicado, que o assassinato de David Haines é um acto de pura maldade e reafirmou o desejo de que os assassinos sejam levados à justiça, por mais tempo que seja necessário para os capturar.

"Esta é um nojento e lamentável assassinato de um inocente trabalhador humanitário. é um acto de pura maldade. O meu coração está com a família de David Haines que mostraram uma extraordinária coragem", lê-se na mensagem oficial, que assim confirma a morte do cidadão britânico.

O gabinete de crise do Executivo britânico - "gabinete cobra" - vai reunir-se este domingo de manhã para avaliar a situação.

Também o Presidente dos Estados Unidos já "condenou" a morte de Haines e reafirmou que vai liderar uma coligação contra o Estado Islâmico e tentar levar os assassinos à justiça. Obama deu há dias conta da sua estratégia para combater este grupo terrorista.

[actualizado às 01h37]