Estados Unidos "prontos" para intervenção militar na Síria

27 ago, 2013

Norte-americanos têm quatro navios "destroyers" na região, todos equipados com várias dezenas de mísseis de cruzeiro "tomahawk".

Estados Unidos "prontos" para intervenção militar na Síria
Estados Unidos "prontos" para intervenção militar na Síria
Os militares dos Estados Unidos estão prontos a actuar de imediato se o presidente dos Estados Unidos ordenar um ataque contra a Síria, disse o secretário da Defesa norte-americano em entrevista à BBC.

Os militares dos Estados Unidos estão prontos a actuar de imediato se o presidente dos Estados Unidos ordenar um ataque contra a Síria, disse o secretário da Defesa norte-americano em entrevista à BBC.

Chuck Hagel lembra que os Estados Unidos já movimentaram para a região pessoal e material para levar a cabo uma missão, se Barack Obama decidir avançar.

Directamente questionado, durante uma viagem ao Brunei, se os militares estavam prontos a actuar, Hagel foi peremptório: "Estamos prontos".

As declarações do secretário da Defesa surgem um dia depois de John Kerry, secretário de Estado, ter admitido que o regime de Bashar al-Assad utilizou armas químicas na guerra civil que assola o país há mais de dois anos.

A Marinha dos Estados Unidos reforçou os meios no Mediterrâneo. A sexta frota norte-americana decidiu deixar na zona o "USS Mahan", inicialmente programado para regressar a Norfolk, na costa leste norte-americana, para ser substituído pelo "USS Ramage". 

No total, os Estados Unidos têm quatro navios "destroyers" na região - o Gravely, o Barry, o Mahan e o Ramage -, todos equipados com várias dezenas de mísseis de cruzeiro "tomahawk".

O presidente Obama tinha traçado como limite a utilização de armas químicas contra civis para eventualmente avançar com uma operação militar norte-americana.

Na quarta-feira passada, a oposição síria acusou o Governo de ter utilizado armas químicas nos arredores de Damasco. A organização Médicos Sem Fronteiras fala em mais de 300 mortos vítimas deste alegado ataque.