Falta de aderência entre rodas e carril na origem da colisão de comboios

25 jan, 2013

Responsáveis pela investigação afastam tese de "falha humana". Embate de um intercidades na retaguarda de um regional, parado à entrada da estação de Alfarelos/Granja do Ulmeiro, fez 21 feridos. 
Falta de aderência entre rodas e carril na origem da colisão de comboios
O inquérito preliminar ao acidente ocorrido segunda-feira em Alfarelos, no concelho de Soure, concluiu que a colisão entre dois comboios foi motivada por falta de aderência entre as rodas e o carril. 

Esta situação originou deslizamentos de ambos os comboios e contribuíram para a não imobilização dos mesmos antes do sinal de entrada da Estação de Alfarelos, refere o documento divulgado esta sexta-feira.

"De momento, pelos depoimentos obtidos e dados já apurados, não há indícios de falha humana", afirmam os responsáveis pela investigação.

A comissão de inquérito considera também que o comportamento do sistema de sinalização foi o adequado, "transmitindo aos comboios envolvidos no acidente o objectivo de paragem ao sinal de entrada da estação de Alfarelos".

Nas conclusões preliminares do inquérito ordenado pelo Governo à REFER e à CP para apuramento das causas da colisão lê-se também que as actuações de travagem de emergência espoletadas pelo sistema CONVEL ocorreram tardiamente. Por isso, a comissão de inquérito recomenda a "imposição duma restrição de velocidade de 30 quilómetros por hora à aproximação dos sinais S1 e SC1 da Estação de Alfarelos".

"Pelos mesmos motivos, recomenda-se a realização de um ensaio de linha com um comboio constituído por uma locomotiva e composição idênticas às do comboio intercidades n.º 529, simulando condições de circulação semelhantes em termos de velocidade e locais de aplicação do freio", acrescenta a comissão.

O embate de um comboio intercidades na retaguarda de um regional, parado à entrada da estação de Alfarelos/Granja do Ulmeiro, provocou 21 feridos ligeiros: 14 foram assistidos nos Hospitais da Universidade de Coimbra e sete receberam tratamento e assistência psicológica de equipas do INEM mobilizadas para o local do acidente. Todos os feridos já tiveram alta médica. O embante ocorreu por volta das 21h15 de segunda-feira.

O Gabinete de Investigação de Segurança e de Acidentes Ferroviários (GISAF), organismo independente ao qual compete investigar os acidentes
com comboios, está inactivo desde 2011 por falta de quadros, após a demissão do seu director.

[notícia actualizada às 13h00]