|

Governo quer limitar promoções nos hipers. Empresas estão contra

06 dez, 2012

Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição critica o Executivo por interferir nas relações entre os agentes económicos, lembrando que o país "vive uma grave crise de consumo".

Governo quer limitar promoções nos hipers. Empresas estão contra
O sector da distribuição está contra a regulamentação das promoções e descontos nos hipermercados que o Governo está a preparar. A directora-geral da Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED) lamenta o facto de o Governo escolher a via legislativa para interferir em iniciativas que movimentam "mais de três mil milhões de euros".

Ana Trigo Morais alerta "Governo para as consequências que estas medidas terão, nomeadamente pelo facto de se deixar de poder fazer uma intensa actividade promocional", indo ao encontro do comportamento do consumidor, que compra quase exclusivamente os artigos com promoção, com desconto ou condições especiais. "E isto vale muito dinheiro", sublinha.

Segundo os cálculos da APED, são "mais de três mil milhões de euros que resultam destes descontos e promoções". Por isso, Ana Trigo Morais acusa o Governo de impor condições entre os operadores económicos e diz que a iniciativa vai originar novas quebras no consumo.

"Mais uma vez, o Governo escolhe a via legislativa, a via de impor condições nas relações entre os operadores económicos, e, nessa medida, estamos muito preocupados, porque vivemos em Portugal uma grave crise de consumo", critica a representante das empresas de distribuição.

Ana Trigo Morais lembra que "as famílias e os portugueses têm cada vez menos dinheiro nos bolsos", pelo que a regulamentação proposta pelo Executivo terá "consequências graves, quer para os operadores económicos, quer para o consumidor".

O Governo já apresentou aos operadores na Plataforma de Acompanhamento das Relações na Cadeia Agro-alimentar a sua intenção de legislar no sentido de limitar as promoções dos hipermercados.