Lisboa

"Call center" apoia idosos no seu dia-a-dia

31 ago, 2012 • Ângela Roque

À distância de uma chamada faz-se companhia, controla-se a tomada de medicamentos, encomendam-se as compras do dia. Só no primeiro mês de funcionamento a linha do Centro Social Paroquial de Arroios contabilizou mais de uma centena de chamadas.
Uma linha telefónica que recebe e faz chamadas para os idosos, só para conversar ou para ajudar a resolver os problemas do dia-a-dia. Este é o mais recente projecto do Centro Social Paroquial de S. Jorge de Arroios, numa das zonas mais envelhecidas de Lisboa.

O “call-center” começou a funcionar em Julho e já se estendeu à freguesia de S. João de Deus.

Pedro Raul Cardoso, director do centro, diz que este é um serviço de proximidade pensado para dar resposta às necessidades da freguesia onde um terço da população é idosa e há vários casos de isolamento.

Esta linha não serve só para quebrar a solidão, mas também para detectar casos de violência física ou psicológica.

Quatro pessoas, pagas pelo Instituto de Emprego, asseguram o “call-center “em dois turnos. O ideal seria terem agora algum médico ou enfermeiro voluntário para ajudar no período nocturno, pelo menos, em alguns dias da semana.

O projecto estava no papel há quatro anos e não arrancou mais cedo por falta de financiamento. Foram as receitas do livro "Sentimento de uma vida" que permitiram avançar.

A partir de Outubro arrancará outro projecto: um serviço de Teleassistência, que vai dar ainda mais segurança aos idosos - 25 utentes já pediram para usufruir.

Ao todo, o Centro Social da Paróquia de Arroios apoia 170 idosos entre os que frequentam o Centro de Dia, os que recebem apoio domiciliário e os que usufruem destes mais recentes serviços.