O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|

Furacão “Gordon” já chegou às águas dos Açores

19 ago, 2012

Protecção Civil recomenda que a população das ilhas reforce os telhados, portas e janelas e desobstrua o sistema de drenagem à volta de casa.  
Já se encontra em águas açorianas o furacão “Gordon”, que deve atingir o arquipélago na próxima madrugada. O instituto de Meteorologia dos Açores prevê que o olho do Furacão chegue à Ilha de Santa Maria por volta das seis da manhã de amanhã, com ventos de 130 quilómetros por hora e rajadas que podem atingir os 160 quilómetros.

O furacão, que se formou no sábado, entrou cerca das 10h00 locais (11h00 em Lisboa) sobre a zona marítima dos Açores como categoria II, numa escala crescente até V, movendo-se para este a 35 quilómetros por hora.

Para São Miguel estão previstos ventos entre 70 e 90 quilómetros por hora, com rajadas até 115 quilómetros. Em ambos os casos, acompanhados de chuva forte, trovoada e agitação marítima com ondas entre 14 e 16 metros.

O Gordon deverá aproximar-se das ilhas orientais (São Miguel e Santa Maria) às 06h00 locais (07h00 em Lisboa) na segunda-feira, de acordo com centro norte-americano de furacões, citado pela agência AP. Por isso, os primeiros efeitos só devem começar a “sentir-se ao final da noite deste domingo”, como explica à Renascença Diamantino Henriques, do Instituto de Meteorologia dos Açores.

Protecção Civil pede reforço de medidas de segurança
O Serviço Regional de Protecção Civil e Bombeiros dos Açores lançou um alerta para que a população tome medidas de segurança, antes e durante a passagem do furacão Gordon pelo arquipélago.

A Protecção Civil recomenda, num comunicado, que a população das ilhas que serão atingidas pelo furacão reforce os telhados, portas e janelas e desobstrua o sistema de drenagem à volta de casa, como medidas de prevenção.

Antes do furacão atingir os Açores, a população deve ainda guardar todo o equipamento solto no jardim, acautelar os animais e as alfaias agrícolas e ancorar os barcos ou colocá-los numa área mais segura.

Durante a intempérie, a Protecção Civil aconselha a população a manter a calma e acalmar os outros e a seguir as instruções transmitidas pela comunicação social, acrescentando que as pessoas não devem sair de casa, a não ser numa situação de absoluta necessidade, e em caso de se encontrarem fora de casa, devem procurar abrigo imediatamente.