O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Ouvir Emissão
Acabou de Tocar RÁDIO MACAU - CANTIGA DE AMOR Acabou de Tocar

Últimas NotíciasPaísMundoPolíticaEconomiaReligiãoCulturaSaúde e CiênciaInfo A-ZEspeciaisSínodoPodcast

"Precisamos de avós activos"

Há hábitos saudáveis que permitem retardar a acção do tempo

  • Áudio "Precisamos de avós activos"

  • Áudio Café previne envelhecimento e demências

Dia Mundial dos Avós assinala-se esta quinta-feira. 2012 é o Ano do Envelhecimento Activo.
26-07-2012 9:58 por Ricardo Vieira
"Precisamos de avós activos" e de encarar a questão do envelhecimento de outra maneira, defende o médico Rui Nogueira, especialista em clínica geral e familiar.

O aumento da esperança de vida da população é uma boa notícia, mas também representa um desafio para uma sociedade em que a média de idades vai ser cada vez mais elevada.

O médico Rui Nogueira, em declarações à Renascença, considera que “é preciso investir e dedicar mais tempo ao envelhecimento" e a encontrar actividades em que as pessoas com mais de 65 anos possam continuar a dar o seu contributo.

“Vamos precisar da actividade dessas pessoas, essas pessoas têm de contar para a sociedade, têm de contar com actividade válida e útil para a sociedade.”

Para Rui Nogueira, o segredo de um envelhecimento activo e com maior qualidade de vida começa ainda antes de aparecerem os cabelos brancos.

"A Organização Mundial de Saúde elegeu este ano como o Ano do Envelhecimento Activo. Eu admito mesmo que o envelhecimento é tanto mais activo quanto mais conseguirmos dinamizar actividades antes do próprio envelhecimento. As pessoas mais activas tendem a manter actividade mesmo com o seu envelhecimento normal, as pessoas menos activas tendem a manter ou a agravar a sua inactividade à medida que vão envelhecendo", salienta.

Dicas para envelhecer com mais saúde
Com a terceira idade vêm as doenças, no entanto, é possível retardar a acção do tempo seguindo hábitos de vida saudáveis e tendo acompanhamento clínico.

Desde logo, o médico Rui Nogueira recomenda “actividade física diária moderada, mas que deve começar tão cedo quanto possível”.

Por outro lado, a alimentação deve ser cuidada e, sobretudo nesta altura do Verão, a ingestão de água fundamental para o bom funcionamento do organismo.

“As bebidas alcoólicas, de facto, são prejudiciais”, sublinha Rui Nogueira, e, em alternativa, pode optar por chá ou café, “bebidas estimulantes que previnem o envelhecimento e as demências”.

“O café sofre de muitos mitos”, porém, ingerido com moderação e com pouco açúcar “é perfeitamente aceitável”, diz o especialista em clínica geral e familiar.

“O café em si mesmo não é nefasto para a saúde e é benéfico nalgumas circunstâncias, quer em relação às demências próprias do envelhecimento, quer em relação à pele, mesmo ao estado de vigília que as pessoas precisam de ter, de acção, de actividade. Tem mesmo sido estudado em relação a doenças como Alzheimer, Parkinson, doenças que são degenerativas, são problemas neurológicos e que beneficiam ou são prevenidos com a ingestão de café, em doses moderadas, duas a quatro bicas por dia.”

Neste Dia Mundial dos Avós, outro conselho para envelhecer com saúde e qualidade de vida é tentar prevenir quedas e acidentes, nomeadamente através da eliminação dentro de casa de barreiras arquitectónicas, como degraus ou outros obscáculos difíceis de ultrapassar.
PARTILHAR

  • PUB

Deixe aqui o seu comentário relativo a este artigo. Todos os comentários estão sujeitos a mediação.

Tem 1500 caracteres disponíveis

Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.


Entrar Renascença V+
Professores em falta no Conservatório Nacional



INFORMAÇÃO      BOLA BRANCA      PROGRAMAÇÃO      MÚSICA      MULTIMÉDIA      OPINIÃO