Mandar um filho para a universidade custa seis mil euros por ano

05 jun, 2012 • Ana Lisboa

"Pode-se concluir que há um grande esforço por parte das famílias portuguesas, que é maior que na generalidade dos países da Europa", refere à Renascença a coordenadora de um estudo sobre o ensino superior português.
Mandar um filho para a universidade custa seis mil euros por ano
As famílias portuguesas pagam anualmente, em média, cerca de seis mil euros pelos gastos de um filho no ensino superior. Segundo um estudo desenvolvido pelo Instituto de Investigação da Universidade de Lisboa, os agregados familiares de Portugal acabam por fazer um esforço maior que o verificado noutros países.

Luísa Cerdeira, coordenadora do trabalho, refere que este montante de seis mil euros implica uma comparação entre o nível de rendimentos existente em Portugal e os montantes auferidos noutros países. Quando essa comparação é feita, explica a investigadora, “pode-se concluir que há um grande esforço por parte das famílias portuguesas, que é maior que na generalidade dos países da Europa”.

Este estudo, designado "Os Custos dos Estudantes do Ensino Superior", revela ainda que os alunos do ensino superior em Portugal são maioritariamente provenientes de estratos sociais favorecidos.

“Vemos que os pais dos estudantes, quer o pai, quer a mãe, e proporcionalmente à população com idade análoga, têm habilitações de ensino superior muito mais elevadas do que tem a população em geral”, explica a coordenadora do estudo. Segundo Luísa Cerdeira, isto quer dizer “que ainda há uma sobre-representação [no ensino superior] de estratos com níveis habilitacionais superiores”.

A investigação indica também que a maioria dos alunos do ensino superior estuda no ensino público, vive em casa dos pais e frequenta uma instituição da zona litoral.

Este estudo resulta de um inquérito realizado no ano lectivo 2010-2011 e vai ser apresentado esta quarta-feira, durante um seminário em que vão estar presentes representantes dos estudantes, que vão comentar os resultados.