Banco de Portugal

Salários vão ser penalizados por pressão do desemprego

29 mar, 2012

Além da queda das remunerações, também está prevista uma diminuição do emprego nos próximos dois anos.
Salários vão ser penalizados por pressão do desemprego
Os salários vão ser "fortemente condicionados" em 2012 e 2013 pelo crescimento do desemprego e pela continuação dos efeitos das medidas de austeridade, prevê o Banco de Portugal (BdP) no boletim económico de Primavera, divulgado esta quinta-feira.

"A actual projecção contempla uma redução dos custos unitários do trabalho no sector privado em 2012 e 2013, num contexto em que a evolução dos salários deverá ser fortemente condicionada pelo agravamento da situação no mercado de trabalho", escreve o Banco central.

O relatório do Banco de Portugal nota também que o crescimento dos salários será igualmente afectado "pelo impacto da suspensão dos subsídios de férias e de Natal no sector público, bem como pela redução de 50% nas retribuições por trabalho suplementar, que deverá entrar em vigor neste ano".

Menos empregos
O emprego vai reduzir-se 3,6% este ano e voltará a cair 0,7% em 2013. Segundo projecções, em 2012 "a contracção mais acentuada" vai ocorrer no sector privado. No ano seguinte, a redução do emprego será mais acentuada no sector público.

O boletim sublinha que, neste contexto, "assumem particular relevância as reformas estruturais" ligadas à competitividade.

O Banco de Portugal não divulga projecções específicas sobre a taxa de desemprego. No entanto, regista que houve um "aumento muito significativo" do desemprego no final de 2011, que ficou acima das expectativas, atingindo os 14%.

O Banco de Portugal prevê uma recessão para este ano uma décima acima das previsões do Governo. A previsão do banco central é de 3,4% e a do Governo, inscrita no orçamento rectificativo, é de 3,3. Já em 2013, o cenário será de estagnação.