Dois barcos de pesca portugueses na lista negra da Greenpeace

04 nov, 2014

Ecologistas justificam a selecção dos navios com a sua "enorme capacidade para capturar peixes" e o seu "impacto na sobre exploração das populações de peixes, nas espécies vulneráveis e nos habitats marinhos".

Duas embarcações de bandeira portuguesa figuram na lista da organização ambientalista Greenpeace dos 20 pesqueiros da União Europeia mais nocivos para os oceanos, devido a práticas de "pesca destrutiva". 
 
Segundo o relatório "Barcos-Monstro", divulgado esta terça-feira pela Greenpeace, o "Ártico" constitui uma ameaça para certas espécies de tubarão, tartarugas e aves marinhas, enquanto ao "França Morte" é atribuída a responsabilidade pela diminuição de reservas de peixes como o bacalhau. 
 
O "Ártico", cuja propriedade não é clara, ressalva o relatório, dedica-se à pesca de atum e espadarte no Pacífico, ao passo que o "França Morte", que a Greenpeace atribui ao armador Pedro França, da Gafanha da Nazaré, se dedica à pesca de bacalhau, raia e "red fish", no Atlântico Norte. 
 
A agência Lusa tentou confrontar Pedro França com as considerações da Greenpeace, mas não conseguiu contactá-lo.

A lista da organização ecologista inclui mais 18 embarcações de pesca, entre as mais nocivas, uma delas operada por uma empresa grega e as restantes com bandeira de Espanha, Dinamarca, Suécia, França, Alemanha, Lituânia, Holanda, Polónia e Reino Unido. 
 
Em comunicado, citado pela agência Efe, a Greenpeace justifica a selecção dos pesqueiros com a sua "enorme capacidade para capturar peixes" e o seu "impacto na sobre exploração das populações de peixes, nas espécies vulneráveis e nos habitats marinhos". 
 
A organização não-governamental salienta que a pesca excessiva é um problema mundial com consequências "alarmantes e indiscutíveis", uma vez que 90% das populações de peixes estão sobre exploradas, acrescentando que segmentos da frota europeia têm uma capacidade de pesca duas ou três vezes maior do que o nível considerado sustentável. 
 
A Greenpeace apela aos 28 Estados-Membros da União Europeia para que proporcionem acesso preferencial à pesca tradicional e de baixo impacto, como o defende a nova Política Comum de Pescas, para os próximos cinco anos.