É dia de exame de Matemática. Onde ficam os alunos sem aulas?

21 mai, 2014

Confederação Nacional das Associações de Pais quer “soluções com tempo e com todos”. Vice-presidente da Associação de Directores de Agrupamentos e Escolas Públicas sugere exames fora do período lectivo.
Chegou o dia da matemática para 220 mil alunos do 4º e 6º ano do básico com exame nacional. Mas esta quarta-feira é também o dia das equações difíceis para os milhares de encarregados de educação cujos filhos não vão ter escola.

Em dia de exame não há aulas, pelo que os pais são obrigados a encontrar alternativas para deixar os seus filhos. “Temos algumas situações graves” e “há que olhar para isto com muita atenção, porque se houver alguma situação mais desagradável a tentação será sempre descartar para alguém”, avisa o presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais (Confap).

Em declarações à Renascença, Jorge Ascenção considera que “há algumas crianças pelo país em abandono forçado”, face à dificuldade de alguns pais em ausentar-se do trabalho para as acompanhar.

O problema arrasta-se e, na opinião do dirigente da Confap, deve ser corrigido em futuros exames. Por exemplo, avança, com “actividades sem sala de aula; a deslocação das crianças do quarto ano para a escola sede”, deixando “algum espaço livre nas escolas do primeiro ciclo”, entre outras soluções, que devem ser discutidas “com o Ministério” e “pensadas com tempo e com todos”.

Opinião semelhante tem vice-presidente da Associação de Directores de Agrupamentos e Escolas Públicas, Filinto Lima, também director do agrupamento da Escola Básica Costa Matos, em Gaia.

“Se não quisermos constrangimentos no próximo ano, estes exames do 4º ano terão de ser feitos fora do período lectivo, como é feito no 9º ano e no ensino secundário, para não coincidirem com o período de aulas e as escolas poderem leccionar normalmente, o que não acontece hoje nem aconteceu segunda-feira”, afirma o responsável à Renascença, que visitou aquela escola esta manhã.

O exame de Matemática começa às 9h30 para os alunos do 4º ano do básico e às 14h00 para os do 6º ano. Fazem a prova mais de 200 mil alunos, perante a vigilância de 20 mil professores.