O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|

Detido chinês com visto dourado dado por Portugal

21 mar, 2014 • Celso Paiva Sol

Homem é procurado na China por crimes de burla e terá utilizado dinheiro ilícito para adquirir habitação em Portugal.

A Polícia Judiciária deteve um cidadão chinês a quem Portugal concedeu recentemente uma autorização de residência ao abrigo dos chamados vistos dourados, actualmente previstos na Lei portuguesa para atrair investimento estrangeiro.

O homem é procurado na China por crimes de burla e, ao que a Renascença apurou, terá sido com dinheiro ilícito que em Portugal comprou a casa que lhe deu direito ao visto.

Tem cerca de 40 anos e está em Portugal desde o final do ano passado, altura em que a aquisição de uma casa de luxo no concelho de Cascais lhe deu direito a uma autorização de residência por investimento.

Acontece que, em nome deste chinês, existe um mandado de detenção internacional, emitido pela Interpol depois do pedido de ajuda lançado pela justiça chinesa.

O mandado pede a extradição do suspeito, razão pela qual, depois de detido ontem, o cidadão chinês foi levado esta sexta-feira ao Tribunal da Relação de Lisboa para um primeiro interrogatório.

A Renascença sabe, no entanto, que o detido já estava também referenciado no Departamento Central de Investigação e Acção Penal no âmbito da vigilância que é feita em permanência ao sector financeiro.

Esse será sempre um processo à parte que, para já, nada tem a ver como pedido de extradição emitido pela China. Tudo indica que também as autoridades portuguesas possam investigar a proveniência do dinheiro que serviu para comprar a casa de Cascais – e dessa forma a autorização de residência em Portugal - que na verdade dá ao suspeito o direito de circular em toda a União Europeia.