COMBATE AO DESEMPREGO

Cáritas e Instituto de Emprego cooperam na zona da raia

30 jan, 2014 • Rosário Silva

“Há pessoas que vivem na margem da dignidade” reconhece o presidente da Cáritas de Portalegre/Castelo-Branco, no dia em que se estreitam relações com o IEFP para dar a conhecer ofertas de emprego e formação.  
Para combater o desemprego no interior alentejano, é assinado esta sexta-feira, em Portalegre, um acordo de cooperação entre o Instituto de Emprego e Formação profissional (IEFP) e as Cáritas diocesanas de Beja, Évora e Portalegre/Castelo-Branco. Uma iniciativa que surge no âmbito de um projecto transfronteiriço, a “Rede de Apoio Mutuo das Caritas Diocesanas da Raia” que já está materializada numa plataforma informática.

A inclusão social e laboral de grupos mais vulneráveis, por via de uma cooperação entre instituições, é a ideia que prevalece nesta parceria.Porque a pobreza tem vários “rostos” há uma necessidade crescente de os identificar, encontrando respostas para o efeito. A acção social continua a ser necessária, mas é preciso ir à origem do problema, confessa à Renascença, Elicidio Bilé, presidente da Cáritas de Portalegre-Castelo Branco.

“Apesar de darmos alimentos, alojamento ou dinheiro para rendas de casa em atraso, é preciso irmos muito mais além. A pessoa, hoje, não tem só essa carência e o que a levou a ter essa carência são outras razões. Portanto, é preciso ir à raiz do problema e é preciso ajudar a pessoa no seu desenvolvimento pessoal e social e é preciso ajudá-la na sua inserção” refere.

“Há muitas pessoas que vivem na margem da dignidade e, portanto, é preciso ajudá-las a promoverem-se e é esse tipo de respostas que, nós, nas Cáritas, tentamos encontrar para poder apoiar as pessoas” justifica, ainda, Elicídio Bilé.

As elevadas taxa de desemprego no interior do Alentejo, nomeadamente na Raia, e os problemas de natureza social inerentes, conduzem à urgência na dinamização de programas sociais que combatam os diversos “rostos” da pobreza.

Mas é preciso, também, criar medidas activas de emprego, defende, em declarações à Renascença José Palma Rita. “Transmitir um conjunto de informação periodicamente para que as Cáritas possam difundir junto dos seus utentes para que tenham melhor informação sobre as ofertas de emprego que existem na zona da raia, uma zona de grande mobilidade entre Portugal e Espanha” afirma.

O delegado regional do IEFP reforça a ideia de que é igualmente importante, difundir as ofertas de formação profissional para aqueles que necessitam de aumentar as suas competências profissionais para terem melhor inserção no mercado de trabalho, numa relação de proximidade”.

As Cáritas passam a divulgar aos seus utentes os recursos disponibilizados pelo IEFP, através da sua plataforma informática própria, no âmbito de um projeto transfronteiriço (Rede de Apoio Mútuo das Cáritas Diocesanas da Raia), em parceria com as Cáritas Diocesanas espanholas de Salamanca, Cidade Rodrigo, Cória - Cáceres e Mérida – Badajoz.

À cerimónia de assinatura do acordo de cooperação associa-se o ministro da Solidariedade, Emprego e Segurança Social, Pedro Mota Soares.