|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

Iniciativa de cidadãos quer restaurar feriado do 1º de Dezembro

24 nov, 2013

Foi eliminado aquando da aprovação do novo Código do Trabalho em conjunto com o feriado da Implantação da República (5 de Outubro) e os feriados religiosos de Corpo de Deus (60 dias após a Páscoa) e do Dia de Todos os Santos (1 de Novembro).

José Ribeiro e Castro, ex-líder do CDS-PP, apresentou em Vila Viçosa, este domingo, uma iniciativa legislativa de cidadãos para restaurar o feriado de 1 de Dezembro e torná-lo Dia de Portugal, da Restauração e da Independência Nacional.

Das 35 mil assinaturas necessárias para a apresentação à Assembleia da República uma iniciativa legislativa de cidadãos, o movimento pela restauração do feriado recolheu, em duas semanas, 1.097.

Ribeiro e Castro votou contra o Código do Trabalho por se opor à eliminação dos feriados que incluía, sobretudo ao de 1 de Dezembro.

Na exposição de motivos da iniciativa legislativa de cidadãos, considera-se que assinalar também o 1 de Dezembro como Dia de Portugal, "sendo efectivamente o mais alto dos feriados nacionais, em nada contende com o 10 de Junho, que celebra Portugal no sentido da portugalidade, valor associado à língua, à universalidade, à diáspora portuguesa e a Camões".

"Numa altura em que Portugal sofre fortes limitações ao exercício da sua soberania, em razão da situação financeira do País e de compromissos externos celebrados, importa repor o 1.º de Dezembro e celebrar os valores da independência nacional e do brio e da liberdade de Portugal como valores fundamentais do Estado, de toda a sociedade e da Nação", lê-se no documento.

No documento, expõe-se que o feriado do 1.º de Dezembro foi "o mais antigo dos feriados civis de Portugal e é o mais alto dos feriados patrióticos, assinalando e fazendo celebrar o mais elevado dos valores de toda a comunidade nacional: a nossa própria independência nacional".

Este feriado foi eliminado através da aprovação de um novo Código do Trabalho, a 11 de Maio do ano passado, em conjunto com o feriado da Implantação da República (5 de Outubro) e os feriados religiosos de Corpo de Deus (60 dias após a Páscoa) e do Dia de Todos os Santos (1 de Novembro).