Maioria dos alunos reconhece valor e utilidade da escola

25 set, 2013 • Fátima Casanova

Barómetro revela que aumentaram as dificuldades financeiras das famílias incluídas no programa EPIS -“Mediadores para o sucesso escolar”. Os rendimentos estão a baixar desde 2007, com um agravamento significativo a partir de 2010.
A maior parte dos alunos reconhece valor e utilidade da escola, enquanto as famílias apontam para fasquia mínima de formação o 12º ano de escolaridade, segundo dados do barómetro da associação de Empresários pela Inclusão Social (EPIS).

O director geral da EPIS, Diogo Simões Pereira, destaca sobretudo o balanço que os alunos actualmente fazem: “Toda a avaliação positiva que os alunos fazem da escola e da relação que têm com os professores".

“Depois, em segundo lugar, aqueles indicadores que evoluíram mais neste período, de 2007 a 2012, e que são em primeiro lugar as expectativas das famílias e dos alunos em relação à educação e a noção da utilidade da escola”, acrescenta o responsável.

Ao mesmo tempo o barómetro, a que a Renascença teve acesso, revela que aumentaram as dificuldades financeiras das famílias incluídas no programa EPIS -“Mediadores para o sucesso escolar”.

Os números não são animadores. Os rendimentos estão a baixar desde 2007, com um agravamento significativo a partir de 2010. Por seu lado, aumentaram as famílias a receber apoios sociais e também aquelas que recebem o ordenado mínimo nacional, tendo duplicado nos últimos cinco anos.

Ao mesmo tempo que crescem as dificuldades, o barómetro da EPIS detecta uma “redução na cobertura da acção social escolar”, explica director geral da EPIS.

Os dados do barómetro EPIS baseiam-se nas respostas de mais de 23 mil alunos, que também dão nota positiva ao conforto das escolas no período de 2007 a 2012, que corresponde a um dos maiores ciclos de investimento em infra-estruturas escolares.