O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.

Projecto "Palavra Chave" leva livros às prisões

04 ago, 2013

Prevê-se que as acções nos estabelecimentos prisionais seleccionados possam envolver mais de uma centena de voluntários.
O projecto "Palavra Chave" vai levar livros e outras actividades a diversos estabelecimentos prisionais do país a partir de meados de Setembro, em acções de voluntariado de apoio ao processo de reintegração social dos reclusos.

Desenvolvido em parceria com a Direcção-Geral da Reinserção e dos Serviços Prisionais, o "Palavra Chave" terá uma fase inicial destinada a formação de voluntários em Bragança, Lamego, Elvas, Grândola e Ponta Delgada, cinco localidades onde existem estabelecimentos prisionais.

O promotor cultural Filipe Lopes, fundador do Grupo “O Contador de Histórias”, referiu à agência Lusa que a formação do "Palavra Chave" visa "dotar os participantes de ferramentas que lhes permitam entender a especificidade" da população prisional.

A formação, conduzida pela psicóloga Carla Xavier, ajudará os participantes "para que eles próprios concebam e desenvolvam depois projectos de intervenção, promoção de leitura e outros, dentro das prisões".

Prevê-se que as acções nos estabelecimentos prisionais seleccionados possam envolver mais de uma centena de voluntários.

Filipe Lopes, que desenvolve "A poesia não tem grades" nas prisões há uma década, ressalvou a importância de utilizar o livro como ferramenta "de desenvolvimento pessoal e de integração social".

"A sobrelotação das cadeias e a diminuição dos recursos diminuem a capacidade dos estabelecimentos prisionais para trabalharem estas duas áreas. O recluso tem de sentir o sofrimento como punição dos seus actos, mas tem de ser apoiado no seu processo de crescimento e renovação como pessoa", observou.

As intervenções da iniciativa "Palavra Chave" nos estabelecimentos prisionais tem já datas provisórias: 19 de Setembro e 12 de Outubro, em Lamego; 20 e 21 de Setembro, em Bragança; 24 de Setembro e 18 e 22 de Outubro, em Pinheiro da Cruz (Grândola); 19 de Outubro, em Elvas; e 23, 24 e 25 de Outubro, em Ponta Delgada.

O número estimado de presos que serão "envolvidos directamente" na "Palavra Chave" é de 120 nos cinco estabelecimentos prisionais, universo que poderá superar os "350 reclusos com as actividades decorrentes dos projectos de iniciativas que serão apresentados na formação".

O projecto "Palavra Chave", que se estende até Março do próximo ano, foi um dos vencedores do programa EDP Solidária, em 2013.

"A poesia não tem grades", também em regime de voluntariado, continua a decorrer em paralelo e, este ano, visitou o Estabelecimento Prisional de Ponta Delgada, nos Açores.

Estão agendadas sessões de leitura de poesia, grande parte de obras de autores portugueses, para Silves, Faro, Olhão, Sintra (prisão da Carregueira), Alcoentre, Covilhã, Guarda, Aveiro, Lamego e Caldas da Rainha.