|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

Belmiro defende que "não há emprego sem mão-de-obra barata"

18 mar, 2013

Por outro lado, aquele que é um dos homens mais ricos de Portugal compara as manifestações contra a austeridade a "um Carnaval", mas considera mais seguro que o povo se manifeste.

Belmiro defende que "não há emprego sem mão-de-obra barata"

O "chairman" do grupo Sonae defende que sem mão-de-obra barata "não há emprego para ninguém", pelo que não entende as críticas a uma economia baseada em trabalho de custo reduzido.

"Diz-se que não se devem ter economias baseadas em mão-de-obra barata. Não sei porque não. Porque se não for a mão-de-obra barata, não há emprego para ninguém", declarou Belmiro de Azevedo durante o debate que assinalou o 7º aniversário do Clube dos Pensadores, em Gaia, esta segunda-feira à noite.

"A economia só pode pagar salários que tenham uma certa ligação com a produtividade", argumenta, dando como exemplo o sector agrícola. E com salários mais baixos, Portugal tem uma "vantagem comparativa" face aos países concorrentes.

"Se quisermos concorrer com potências que têm muito maior produtividade, é impossível pagar os salários de alta produtividade a trabalhadores com baixa produtividade", disse.

Na mesma ocasião, Belmiro de Azevedo comparou as sucessivas manifestações contra o Governo a um "Carnaval mais ou menos permanente".

"Nós temos sido engenhosos para fazer essas manifestações, que é quase um Carnaval mais ou menos permanente. Não tem havido grandes desastres e esperemos que assim continue a ser. Enquanto o povo se manifesta, a gente pode dormir mais descansada. O pior é quando não se manifesta", sustentou.

Sobre as dificuldades de financiamento do Estado português, o empresário diz que é prioritário viabilizar a captação de fundos, para que não se concretize um cenário de bancarrota.


[artigo corrigido às 16h08 de 19/03/2013]