O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Ouvir Emissão
Acabou de Tocar INNER CIRCLE - SWEAT Acabou de Tocar

Últimas NotíciasPaísMundoPolíticaEconomiaReligiãoCulturaSaúde e CiênciaInfo A-ZEspeciaisSínodoPodcast

TSU

Governo estranha recentes queixas dos empresários

Secretário de Estado deixa criticas aos empresários

  • Áudio Carlos Moedas, a TSU e os empresários

Carlos Moedas diz que a Taxa Social única tem "gerado equívocos" e deixou recados a "alguns empresários" que antes se queixavam das restrições de liquidez e agora vêem a medida como "uma ameaça". 
18-09-2012 16:46
O secretário de Estado adjunto do primeiro-ministro não mostra qualquer sinal de recuo do Governo em relação às alterações à taxa social única (TSU), anunciada por Passos Coelho, e que tanta polémica gerou.

No final de um almoço com empresários, em Lisboa, Carlos Moedas falou das virtudes de uma medida que reconhece como complexa.  "Precisamente por ser complexa tem gerado alguns equívocos. Diz-se, por exemplo, que a medida tem um impacto no consumo, mas omite-se que as medidas alternativas em cima da mesa teriam esse mesmo impacto, mas com a agravante de não gerarem qualquer contrataria ou benefícios para as empresas", defende.

Mas o secretário de Estado adjunto não poupou os empresários que têm criticado o Executivo nesta matéria: “Durante meses sem fim ouvimos muitas empresas referindo as restrições de liquidez que enfrentam no momento de pagar salários ou investir. No entanto, a crer nas palavras de alguns empresários, por estes dias, estas restrições desapareceram de um dia para o outro, não sendo já necessário aliviar custos para promover a competitividade”, disse num almoço com empresários portugueses.

Carlos Moedas defendeu ainda que a descida da Taxa Social Única (TSU) para as empresas e o aumento das contribuições dos trabalhadores pode ser uma “ameaça” para algumas empresas. “Sei que para algumas empresas, incumbentes, bem instaladas e com domínio de mercado, esta medida pode representar uma ameaça, uma vez que poderá dar mais força às empresas ágeis e dinâmicas”.

Afirmou ainda para dizer que o Governo também está a reduzir a despesa do Estado, dando como exemplo o da despesa primária.
PARTILHAR

Comentários (6)
  • » real filho de abraão, vieira do minho, 19-09-2012 22:12

    O SENHOR secretário de estado estranha e tem razão . Mas também eu ESTRANHO. E digo porquê: então se o PATRÃO EXPLORA ao MÁXIMO o TRABALHARDOR, vem , agora, ARMADO em DEFENSOR DELE ?! SABE senhor secretário de estado: eu SONHEI que os PATRÕES e EMPRESÁRIOS PREFEREM o AUMENTO do IVA, porque SERÁ?! SOLUÇÃO: OBRIGAR TODOS a INSTALAR EQUIPAMENTO de EMISSÃO de FACTURAS. QUEM vender UM SIMPLES CAFÉ, ou FÓSFORO, SEM FACTURA, PAGA, 500 VEZES. NÃO DÁ, FECHA. VENDE e EMPREGA o COMÉRCIO próximo. Portugal foi GOVERNADO, pelo DEMÓNIO, DURANTE DOZE ANOS. O DEMÓNIO conduziu o país á banca rota. Sabe que é DEMÓNIO, mas FINGE ser DEUS....
  • » Cuidado! Atenção!, pt, 18-09-2012 20:15

    A medida da TSU não é a única que deve ser contestada! É que a mensagem que agora estão a tentar passar e enfatizar, com a conivência de alguma comunicação social, o problema, refere-se apenas à TSU, mas tão ou mais importante do que a TSU, é também o esbulho que pretendem fazer, às pensões e reformas! Os reformados e os pensionistas estão a ser atacados de forma infame, e cobarde, ficando sem os seus rendimentos, para os quais descontaram durante décadas, julgando que o Estado era uma pessoa de bem!...Esta gente indefesa, jamais poderá ser promovida ou arranjar trabalho e os anos que lhes restam na vida, já são poucos para poderem usufruir de uma vida condigna! Ao contrario do que nos têm impingido, não são despesa, mas um imposto selectivo, disfarçado! Trata-se de descontos que foram feitos, sobre 14 meses de salários anuais e portanto esse dinheiro é pertença de quem descontou! Não pode nem deve ser utilizado para tapar buracos de maus orçamentos, provocados por incompetência e incapacidade de quem nos desgoverna! Passos Coelho afirmou que não iria tirar subsídios de ferias e de Natal, que isso era um disparate! Mudou de ideias rapidamente, e bastaram 3 meses...Em caso extremo, e como solução alternativa, devolvam com os respectivos juros, todas as importâncias que estão a ser espoliadas e correspondentes aos descontos feitos, por cada um! É no minimo, o cumprimento contratual! Basta fazerem contas...se é que as sabem fazer! Basta de roubo e mistificação!
  • » Força Moedas!, pt, 18-09-2012 18:52

    sempre em frente, mesmo que encontres muros e paredes, devem ser derrubadas! A razão está sempre nos tecnocratas, os outros que se lixem...são os portugueses tipicos! O que estávamos a precisar era, de iluminados!
  • » anti passos 6 portas Lda, ..., 18-09-2012 18:19

    Eles pensam voces não. Nem contas sabem fazer. De que vale as empresas poupar 5% por cada empregado se vai vender menos de 2 dígitos no ano que vem porque os portugueses vão ficar com -7% para gastar?
  • » Paulo, Sintra, Sintra, 18-09-2012 18:04

    Se o governo n�o recuar nesta medida maligna, ser� destrocado pela indigna��o popular. Esta gente parece inumana!
  • PUB
  • » Este desgoverno, pt, 18-09-2012 17:47

    é composto pelos mais fanaticos, radicais e fundamentalistas de que há memória! Eles são os donos da verdade, através do seu autoritarismo desenfreado do quero, posso e mando! Por que razão estes srs não ficaram nos lugares onde estavam e aceitaram vir para cá fazer o trabalho sujo do "FMI", de onde são funcionarios? Quando acabarem de nos pôr a pão e água já devem ter o lugar assegurado!... Entretanto, como carrascos do seu proprio povo, continuam a malhar nos mais indefesos! Este sr Moedas, teve o descaramento de afirmar com a desfaçatez que o caracteriza, que estava a fazer tudo isto para bem dos nossos filhos...Claro, falaciosamente deve estar a referir-se aos filhos dele! Isto é uma verdadeira trupe circense!

Deixe aqui o seu comentário relativo a este artigo. Todos os comentários estão sujeitos a mediação.

Tem 1500 caracteres disponíveis

Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.


Entrar Renascença V+
Dueto improvável? Tony Bennett e Lady Gaga lançam álbum de jazz



INFORMAÇÃO      BOLA BRANCA      PROGRAMAÇÃO      MÚSICA      MULTIMÉDIA      OPINIÃO