PME Portugal lembra que Estado é o primeiro a pagar com atraso

03 jul, 2014

Os pequenos e médios empresários aconselham os seus associados a apresentarem queixa junto da Provedoria da Justiça da União Europeia.

Os empresários portugueses falham no pagamento a tempo e horas devido ao mau exemplo do Estado. A justicação é avançada pelo presidente da Associação PME Portugal.

“Se o Estado não cumpre, as empresas também não cumprem, é um ciclo vicioso”, atira Alves da Silva.

Questionado pela Renascença como pode ser quebrado este ciclo, o presidente da Associação PME Portugal aconselha os empresários portugueses a queixarem-se ao provedor de Justiça da União Europeia. 
 
É uma reacção ao estudo da Associação Cristão de Empresários e Gestores (ACEGE) que concluiu que 41% dos empresários portugueses não cumprem a legislação do pagamento a horas, já em vigor há um ano, por desconhecimento da lei.
 
O inquérito da associação revela ainda que a maior parte das empresas que não conseguiu cumprir os prazos (71%), justifica com a falta de pagamento dos seus clientes: o chamado efeito “bola de neve”, que conduz muitas vezes ao despedimento de trabalhadores e no limite à falência.

Os empresários inquiridos sugerem mais acção por parte da Autoridade da Concorrência, que deveria aplicar multas às empresas incumpridoras ou fazer depender o acesso aos fundos comunitários ao pagamento atempado das dívidas.