O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.

Governo tinha prometido não aumentar impostos

30 abr, 2014

Há menos de quinze dias, dois ministros tinham garantido que os impostos não iriam subir em 2015. Afinal, o IVA vai aumentar.
Governo tinha prometido não aumentar impostos
O Governo anunciou esta quarta-feira, na apresentação do Documento de Estratégia Orçamental (DEO), que vai aumentar o IVA (Imposto de Valor Acrescentado)de 23% para 23,25%, mas, há menos de quinze dias, dois ministros tinham garantindo que os impostos não iriam subir em 2015

Depois da reunião extraordinária do Conselho de Ministros de 15 de Abril, a ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, afirmou: “não haverá aumento de impostos em 2015 ou esforços adicionais sobre salários ou pensões”. A ideia foi reforçada pelo ministro da Presidência, Luís Marques Guedes.

Esta terça-feira, o ministro da Economia, António Pires de Lima, corroborou que a redução de impostos para o próximo ano "pode e deve ser um objectivo do Governo".

O vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, também já acenou com um possível alívio da carga fiscal a ter lugar até 2015.

O guião da reforma do Estado, coordenado pelo líder do CDS-PP, refere: “'O Governo tem consciência da necessidade de criar condições para começar a inverter a trajectória de agravamento do IRS”.

Quem não se comprometeu foi o primeiro-ministro. No mesmo dia da reunião extraordinária do Conselho de Ministros, em entrevista à SIC, Passos Coelho sublinhou não haver “nenhuma promessa de baixar o IRS”.

O DEO não prevê qualquer descida deste imposto.

"Não estamos em condições de garantir que haverá disponibilidade orçamental para o fazer e, como tal, nunca poderia estar refletido nas projecções dos próximos anos uma coisa que não está de todo decidida", disse esta quarta-feira, na apresentação do documento, a ministra das Finanças.