O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|

Portugal prepara-se para o pós-"troika" e volta a testar os mercados

09 jan, 2014

Economista João César das Neves mantém, ainda assim, alguma cautela, dado que “Portugal é uma zona vulnerável”. Mas, pelo menos, “os mercados já acreditam mais que conseguimos pagar”.

A emissão de dívida a cinco anos que a ministra das Finanças anunciou na quarta-feira vai ser realizada esta quinta de manhã. A informação é dada à Renascença pelo administrador da corretora DIF Brokers, Pedro Lino.

Trata-se de uma linha de obrigações do tesouro já existente e que o Governo decidiu agora reabrir. “Portugal vai reabrir a linha de 2019 com uma taxa de juro de 4,75%”, acrescenta Pedro Lino. 

O valor da emissão deve rondar os três mil milhões de euros e pode chegar aos 3,5 mil milhões. “Portugal não pode emitir um montante muito superior a 3,5 mil milhões, porque isso originaria um reembolso muito elevado e concentrado em 2019, algo que os investidores vêem com maus olhos”, explica o analista.

A linha de dívida pública termina em 2019, ano em que o Estado tem de reembolsar os investidores em 7,6 mil milhões de euros. Com a emissão de hoje, e partindo do princípio que são colocados três mil milhões, o valor do reembolso vai superar os 10 mil milhões.

A operação de hoje serve para, a pouco mais de quatro meses de acabar o programa de ajustamento, Portugal perceber qual a sua capacidade de se financiar nos mercados a taxas razoáveis depois de 17 de Maio.

Quanto ao momento para ir ao mercado, o analista considera não existir um ideal, mas que esta é uma boa altura para aproveitar, uma vez que os investidores estão a começar a olhar para “Portugal, Espanha e Irlanda como países que podem voltar a crescer este ano”.

Na opinião do economista João César das Neves, esta emissão de dívida é uma boa notícia, mas ressalva alguma cautela. “É preciso dizer que o problema está longe de estar resolvido, porque a situação financeira internacional continua muito frágil e Portugal é uma das zonas mais vulneráveis”.

“Mas é um processo que vem de trás, um trabalho muito longo feito pelas Finanças portuguesas e é um bom resultado. São sinais tímidos e iniciais, mas são crescentes de que a situação está a mudar e o país está a sair da situação dramática”, sublinha.

João César das Neves considera que o montante de três mil milhões de euros é significativo e constitui um passo importante para o financiamento em 2014.

“O Estado precisa resolver o seu problema de fundo que é gastar muito mais do que devia, mas pelo menos os mercados já acreditam que Portugal consegue pagar”, comenta.