O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|

Sonho chinês de Drogba e Anelka em risco de se tornar pesadelo

28 ago, 2012

O Shanghai Shenhua, clube chinês para onde se transferiram os dois avançados, atravessa uma crise directiva. Caso o problema não seja resolvido, fecha-se a torneira que abastece as contas bancárias dos jogadores.
Drogba, Bosingwa e Anelka

Os antigos avançados do Chelsea, Didier Drogba e Nicolas Anelka, podem ser vendidos pelo Shanghai Shenhua. De acordo com o jornal "Oriental Sports Daily", o clube chinês vive uma crise directiva que, caso não seja resolvida, se transformará num problema financeiro.

O presidente, Zhu Jun, detém 28,5 por cento das acções da sociedade, mas tem suportado custos muito superiores do que aquilo a que está percentualmente obrigado. Os outros cinco accionistas - companhias estatais - tinham acordado que se Zhu Jun investisse cerca de 19 milhões de euros, em dois anos, a sua parte aumentaria para 70 por cento.

Jun investiu, segundo o diário, mais de 75 mihões de euros, nos últinos cinco anos e meio, enquanto as empresas do estado não adiantaram qualquer quantia. Sendo que o presidente continua com os mesmo 28,5 por cento.

Neste cenário, em que Zu Jun continua sem controlar a maioria da sociedade apesar de avançar com o capital, o líder do Shenhua ameaça reduzir o investimento às obrigações que tem. Ou seja, passar a pagar 28,5 por cento da despesas, ao invés dos 100 por cento que suporta neste momento.

Uma fonte do clube disse ao "Oriental Sports Daily" que "se o problema não for resolvido, os salários dos jogadores deixarão de ser pagos, porque ´+e Zhu que assina todos os cheques".

O futuro de Drogba e Anelka na China está, por tudo isto, em risco. Os dois jogadores recebem, cada um, cerca de 1 milhão de euros por mês.

No plano desportivo, as coisas também não estão a correr como o esperado, sendo que o Shenhua ocupa o 10º lugar da Super Liga da China, com 27 pontos, em 23 jogos. Está a 20 do primeiro classificado, o Guangzhou Evergrande.