O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|

"Vida dada"

31 out, 2012

Que surpresa ter-te encontrado na papelaria a comprar  títulos de transporte!
Disseste um Bom Dia firme e vigoroso.
Mais magro, sim. Uma barba curta, que te não vira nunca.

E há um ano, Fernando?
Tão doente!
Sumido na cama de hospital.
Sumido e débil naquela hora das visitas.

Fernando, que alegria nessa manhã!
E uma alegria ainda maior quando te perguntei onde ias. Que ias para aquela associação de que fazes parte, uma associação que ajuda pessoas com problemas difíceis.
E acrescentaste Somos tantos, naturalmente somos todos.

Dei-Te graças, Senhor.
Dei-Te graças
e pedi-Te que nos ensines,
que nos ordenes uma vida que corre apressada para um autocarro qualquer, para esta ou aquela reunião,
este ou aquele encontro.

O Fernando só um dia me falou da dificuldade que tem em afirmar a sua Fé.
Mas ao vê-lo assim,
a sua vida feita vida que se dá,
suspeito que ele percorre o caminho da Fé.
E dou-Te graças.


Maria Teresa Frazão