Caso de ébola no Mali não afecta missão portuguesa

24 out, 2014

Uma menina de dois anos, que esteve recentemente na Guiné Conacri, é o primeiro caso de infecção registado no Mali.
O porta-voz do Estado Maior-General das Forças Armadas garante que a missão do contingente português no Mali não sofrerá nenhuma alteração em virtude da confirmação do primeiro caso de ébola no país: Uma criança de dois anos proveniente da vizinha Guiné Conacri.

As autoridades do Mali colocaram também sob vigilância 43 pessoas que estiveram em contacto com a criança, incluindo dois profissionais de saúde.

Contactado pela Renascença, o Estado Maior-General das Forças Armadas garantiu, através do seu porta-voz, que o contingente português de 47 elementos é acompanhado por uma equipa sanitária, que inclui um médico e um enfermeiro.

O tenente-coronel Ramos Silva acrescentou que o destacamento português está ciente do problema e tem em sua posse toda a informação necessária para evitar o contacto com o vírus, assegurando por fim que a missão portuguesa no país em nada será alterada.

Integrados na missão das Nações Unidas de implementação de paz no Mali, 47 militares vão ficar naquele país pelo menos até final de Novembro.