O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
Simulador

Trabalhadores do privado perdem mais de um salário líquido. Faça as suas contas

07 set, 2012

A Renascença desenvolveu um simulador para saber como é que vai ser afectado pelas novas medidas de austeridade anunciadas por Pedro Passos Coelho.
O primeiro-ministro anunciou que os trabalhadores do sector privado vão passar a descontar 18% para a Segurança Social em 2013, em vez dos actuais 11%. Na prática, cada trabalhador vai perder o equivalente a mais de um salário líquido no fim do ano.

Para fazer as suas contas, a Renascença desenvolveu um simulador. Pode descarregar AQUI a calculadora. Qualquer dúvida, pode enviar um "e-mail" para online@rr.pt.

Quando inserir o valor bruto no simulador, deve excluir o montante do subsídio de alimentação que está isento de impostos. Por outro lado, a calculadora tem por base a informação conhecida actualmente e as taxas de retenção em vigor.

Os cálculos mostram que os trabalhadores do sector privado vão perder mais de um salário líquido. Por exemplo, um contribuinte casado, dois titulares, com um filho e um salário bruto de 1.000 euros vai passar a descontar mais 70 euros por mês para a Segurança Social. Depois de todos os descontos (IRS incluído), fica com um salário líquido de 730 euros. No final do ano, perde 980 euros (pressupõe o pagamento de 14 meses) com o aumento de descontos para a Segurança Social, valor que é superior ao salário líquido de 730 euros.

Um outro caso: quem é solteiro, não tem filhos e recebe 700 euros brutos, vai passar a descontar mais 49 euros por mês. Depois de todos os descontos, fica com 536 euros líquidos. No final do ano, e com os aumentos para a segurança social, vai perder 686 euros - também superior a um salário líquido.

Nos vencimentos mais elevados, há situações em que as perdas podem ir até dois salários líquidos.

Já sabe: pode descarregar AQUI a calculadora para fazer as suas contas. Qualquer dúvida, pode enviar um "e-mail" para online@rr.pt.

[artigo actualizado às 17h46 de 10/09/2012]