Cristas promete ajudar produtores de leite

24 ago, 2012

Governante garante estar atenta aos problemas do sector e está a preparar propostas.
Cristas promete ajudar produtores de leite

A ministra da Agricultura, Assunção Cristas, assegura que, em Setembro, o Governo vai apresentar propostas legislativas para regular o mercado do leite aos profissionais do sector, de forma a resolver os problemas, que considerou "prioritários".

Falando aos jornalistas em Faro à margem de uma visita ao Refúgio Aboím Ascenção, a ministra afirmou que, neste momento, o Governo está a recolher junto de todas as entidades do sector propostas para novas regras de regulação do mercado, "nomeadamente ao nível dos contratos entre produção, indústria e distribuição".

Hoje, a Associação dos Produtores de Leite de Portugal (Aprolep) alertou, numa carta aberta "dirigida à indústria, distribuição, governantes e sociedade", para o "risco de extinção" do sector face à descida dos preços à produção e escalada dos custos.

Garantindo que está a acompanhar "há muito tempo" a evolução das relações produtivas nesta área, Assunção Cristas remeteu para Setembro a apresentação, por parte do seu ministério, de um conjunto de propostas legislativas aos vários parceiros, "para serem discutidas entre todos e depois aprovadas pelo Governo".

"O leite é prioritário para nós e é um sector que nós temos vindo a acompanhar", disse, reconhecendo que neste momento os produtores enfrentam dificuldades acrescidas devido à seca, que faz aumentar os custos de produção, "e os valores pagos ao produtor têm vindo a diminuir".

Contudo, recordou que em Junho o Governo abriu concurso para a restruturação e modernização do sector do leite e a valorização do produto, no quadro dos fundos do PRODER (Programa de Desenvolvimento Rural).

Na carta aberta hoje divulgada, a Aprolep reclama ao Governo "que tome medidas para um mercado com regras", pede à indústria "que seja eficiente, inovando nos produtos e buscando novos mercados", defende que a distribuição "seja responsável e justa" e apela à sociedade "que ajude os produtores, preferindo lacticínios portugueses".