O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
Ajuda Externa

Vítor Gaspar mantém posição sobre subsídios

05 abr, 2012

Ministro das Finanças garante que a suspensão vigorará até ao final do programa de ajustamento e que esta é a posição que o Governo "tem e sempre teve".
Ministro das Finanças garante que a suspensão vigorará até ao final do programa de ajustamento e que esta sempre foi a posição do Governo.
O ministro das Finanças voltou hoje a esclarecer que o corte dos subsídios de férias e de Natal são temporários e vigoram até ao final do programa, garantindo que esta é a posição que o Governo "sempre teve".

"Quero antes de terminar esclarecer o carácter temporário da suspensão dos subsídios de Natal e de férias. A este respeito não existe nada de novo. A suspensão vigorará até ao final do programa de ajustamento. Esta é a posição que o Governo tem e sempre teve", afirmou Vítor Gaspar, que aproveitou a abertura do debate no Parlamento do Orçamento Rectificativo para voltar a esclarecer o assunto.

O ministro, depois de questionado pelos deputados, reafirmou que “dizer que a suspensão dos subsídios se mantém durante o período de vigência do programa de ajustamento é o mesmo que dizer que recomeça em 2015. Evidentemente que esta questão é uma questão de enorme importância e julgo que está esclarecida para além de qualquer dúvida razoável", disse.

O governante aproveitou ainda para dizer que a Comissão Europeia "está ao corrente da posição do Governo português e não levanta objecções".

Mais uma vez, depois das palavras que havia proferido esta quarta-feira na comissão parlamentar de orçamento e finanças, Vítor Gaspar considerou que "o empolamento artificial desta questão é, portanto, injustificado e inoportuno".

As palavras seguem-se à entrevista do primeiro-ministro à Renascença em que Passos Coelho revelou que os subsídios de férias e de Natal iriam ser repostos de forma gradual e a partir de 2015.