Maria de Belém dá sinal que avança para a Presidência

14 ago, 2015 • Eunice Lourenço

Ex-ministra da Saúde recebe promotores da candidatura e vai recolhendo apoios dentro e fora do PS. José Lello já lhe chama uma candidatura "incontornável".
Maria de Belém dá sinal que avança para a Presidência
A candidatura presidencial de Maria de Belém Roseira está mesmo em marcha e a ex-ministra da Saúde vai dar este sábado o seu primeiro sinal ao receber em sua casa um grupo de promotores do abaixo-assinado que apela a que avance para as presidenciais de 2016.

O médico Joshua Ruah está nesse grupo, que será recebido no sábado, sabe a Renascença. É promotor do manifesto "Esta é a hora da cidadania", um apelo subscrito por 100 figuras de várias áreas da sociedade portuguesa que consideram que a ex-ministra e ex-presidente do PS tem o perfil indicado para ser Presidente da República.

Entre os subscritores desse manifesto estão o reitor da Universidade Nova, António Rendas, e as escritoras Inês Pedrosa e Leonor Xavier.

Uma segunda lista de apoiantes já está a ser preparada, mas ainda é mantida em reserva. Mas um dos subscritores será o também ex-ministro Eduardo Marçal Grilo, que, em declarações ao "i" desta sexta-feira, elogia uma eventual candidatura de Maria de Belém.

Candidatura "incontornável"
A candidatura, no entanto, já será mais do que eventual. Ou seja, já foram dados passos e envolvidas pessoas neste processo, que dificilmente voltará atrás.

O socialista José Lello já lhe chama mesmo uma candidatura "incontornável". No Facebook, o deputado anunciou esta sexta-feira o seu apoio a Maria de Belém.

A ex-ministra começa a juntar apoio de vários sectores do PS. Inicialmente, os apoios vinham sobretudo de antigos dirigentes próximos de António José Seguro, como Eurico Dias ou Álvaro Beleza, mas agora surge também o apoio de Lello, que, além de ser um acérrimo socrático, apoiou António Costa contra Seguro.

A Renascença sabe que também o eurodeputado socialista Francisco Assis pode manifestar o seu apoio a Maria de Belém.

Em Março, Belém, que foi presidente do PS durante a liderança de Seguro, disse à Renascença que admitia uma candidatura presidencial, mas remeteu qualquer decisão sobre o assunto para depois das eleições legislativas.

Mas mais recentemente, em Julho, no programa da Renascença Falar Claro, manifestou-se bastante agradada com as sondagens que lhe davam vantagem sobre Sampaio da Nóvoa, outro candidato da área socialista. 

O compromisso e a entrevista
A ex-ministra assumiu um compromisso com António Costa de que só avançará depois das eleições legislativas de 4 de Outubro. No entanto, esse compromisso implicará um comportamento também discreto e neutral do actual líder socialista em relação a eventuais candidaturas presidenciais.

entrevista de Costa à revista "Visão" desta semana, em que o secretário-geral do PS protege Sampaio da Nóvoa, não agradou a todos aqueles que já trabalham no sentido de haver uma candidatura de Maria de Belém. E a ex-ministra acaba por dar um sinal público da vontade de avançar ao receber a delegação de apoiantes este sábado.