Acautelar emprego a partir dos oito anos. Mais de 600 escolas vão ensinar programação

21 abr, 2015 • Manuela Pires

Estabelecimentos de ensino terão de providenciar o material para os alunos dos 3º e 4º anos. No Verão, mais de 700 professores vão ter formação.
Acautelar emprego a partir dos oito anos. Mais de 600 escolas vão ensinar programação

A partir do próximo ano lectivo, mais de 34 mil alunos do primeiro ciclo do ensino básico, dos 3º e 4º anos, em 624 escolas, vão ter aulas de iniciação à programação. Trata-se de um projecto-piloto lançado pela Direcção-geral de Educação.

"Superou todas as expectativas, estávamos à espera de menos de 100 escolas e inscreveram-se 240 agrupamentos, o que soma 620 escolas", refere à Renascença o responsável pelo projecto da Direcção-geral de Educação João Carlos Sousa. 

Daqui a cinco anos a União Europeia vai precisar de cerca de 900 mil postos de trabalho nas áreas das Tecnologias de Informação e Comunicação. A Comissão Europeia considera importante a capacitação digital. A ideia não é original. Em Inglaterra, por exemplo, a iniciação à programação é uma disciplina curricular a partir dos cinco anos de idade.

Em Portugal a iniciação à programação, que arranca em Setembro, vai ser integrada nas actividades complementares. No mês de Julho, mais de 700 professores vão ter formação.

João Carlos Sousa diz que os alunos de oito e nove anos ganham competências, "desenvolvem actividades com uma dimensão lúdica, de resolução de problemas e vão desenvolver a capacidade de estruturar o raciocínio, de desenvolver mapas e procedimentos". As crianças vão trabalhar com duas linguagens de programação, o Kodu, da Microsoft, e o Scratch, do MIT (Massachusetts Institute of Technology), as mais usadas para o ensino da programação.

As escolas que se candidataram vão ter de garantir o material para as aulas. João Carlos Sousa diz que "o ideal era ter um computador por aluno, mas pode-se trabalhar com dois alunos por computador". "Vai exigir alguma capacidade logística, mas os agrupamentos estão habituados a esta ginástica", remata.

A iniciativa realiza-se em parceria com Microsoft e a Escola Superior de Educação de Setúbal.