Veja em directo o eclipse do sol

20 mar, 2015 • André Rodrigues

O pico do eclipse parcial é esperado por volta das 9h00, em Portugal Continental e na Madeira.

Veja em directo o eclipse do sol
Acompanhe em directo o eclipse parcial através das imagens do Observatório Astronómico de Lisboa, da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.
 


Se o céu nublado não for impedimento, esta sexta-feira vai amanhecer diferente do habitual. Das 8h00 às 10h00, o eclipse parcial do sol marca a despedida do Inverno. Uma coincidência "pouco habitual", reconhece o astrónomo José Augusto Matos que garante que "uma coisa não tem nada a ver com a outra".

O pico do eclipse é esperado por volta das nove horas, em Portugal Continental e na Madeira. Nos Açores, pela diferença horária, o fenómeno começa mais cedo. É também a zona "onde a observação está favorecida", afirma o investigador da Associação de Física da Universidade de Aveiro (FISUA).

Embora a previsão meteorológica seja incerta quanto às condições de visibilidade, José Augusto Matos admite a observação é possível "em todo o país, do Minho ao Algarve".

Marés altas? Também por coincidência
Além da coincidência com o fim do Inverno, José Augusto Matos acrescenta que "este eclipse acontece numa altura em qua a lua está mais próxima da Terra", o que aumenta a chamada amplitude das marés. Um fenómeno que será sentido de forma particular "no Equador da Terra", mas que terá consequências, ainda que mitigadas, também no nosso país.

Na zona de Lisboa "vamos ter uma maré mais forte do que o habitual, sobretudo na madrugada de sábado". Mas nada de extraordinário. "Está tudo previsto", assegura o investigador da FISUA.

Depois do eclipse desta manhã, o próximo só acontecerá em 2026.

Visão directa aumenta risco de cegueira
Apesar da curiosidade que possa suscitar nos mais curiosos, o eclipse desta sexta-feira não deve, em nenhum momento, ser directamente observado. Lesões na retina, alteração na percepção das cores, imagens distorcidas, cegueira - no limite - são as possíveis consequências da visualização directa no momento em que a lua tapar o sol.

E como, desta vez, as farmácias não disponibilizam óculos apropriados para observar o fenómeno, "um vidro de soldador" é uma das alternativas apontadas por José Augusto Matos.

Outro dado curioso: este é o primeiro eclipse do sol que vai testar a capacidade de resposta dos sistemas de produção de electricidade com recurso a painéis fotovoltaicos. Apesar dos operadores do sector "terem a situação devidamente monitorizada e acautelada", quanto mais limpo estiver o céu, maior é a probabilidade de eventuais constrangimentos.