Igreja pede respeito pela "família natural"

17 mai, 2013

Conferência Episcopal reage ao projecto de lei que defende a co-adopção por casais homossexuais.
Igreja pede respeito pela "família natural"

A Igreja Católica pede que seja respeitada a "família natural" onde "haja um pai e uma mãe". É a reacção ao projecto que prevê a co-adopção de crianças em uniões do mesmo sexo, que foi aprovado na generalidade no Parlamento.

O porta-voz da Conferência Episcopal Portuguesa, padre Manuel Morujão, diz à Renascença que é fundamental que uma criança seja educada com as devidas referências parentais.

"Não há aqui nenhuma segregação nem nenhum menosprezo por qualquer tipo de pessoas. Não por motivos religiosos, mas por motivos antropológicos, que seja respeitada a objectividade de uma família natural e onde haja um pai e uma mãe - os biológicos quando possível ou então um pai e uma mãe substitutivos."

O padre Manuel Morujão acrescenta que "quando falta um pai e uma mãe natural porque não têm capacidade para exercer a maternidade ou a paternidade, deve-se procurar o melhor possível para acolher a criança e para substituir um pai e uma mãe biológica deve-se encontrar um casal que tenha a estrutura de um homem e de uma mulher que possam ajudar a crescer a criança na complementaridade entre a masculinidade e a feminilidade".

O Parlamento aprovou esta sexta-feira na generalidade o projecto de lei do Partido Socialista que defende a co-adopção de crianças por parte de casais homossexuais. Segue-se agora a discussão na especialidade. O projecto de lei foi aprovado na generalidade com 99 votos a favor e 94 contra, além de nove abstenções.