Portugal criticado por abuso de força policial e violência contra mulheres

20 abr, 2013

Relatório do Departamento de Estado norte-americano também aponta problemas de sobrelotação nas prisões portuguesas.

Portugal é criticado, mais uma vez, por abuso de força policial e violência contra mulheres, no relatório anual sobre direitos humanos, divulgado esta sexta-feira pelo Departamento de Estado norte-americano.
 
O relatório, referente a 2012, divulgado em Washington pelo secretário de Estado norte-americano John Kerry, volta a apontar a Portugal praticamente os mesmos problemas do ano anterior.
 
"Os principais problemas de direitos humanos [em Portugal] incluem uso de força excessivo e abuso sobre detidos e prisioneiros pela polícia e guardas prisionais, más condições e insalubridade nas prisões", assim como o encarceramento de jovens juntamente com adultos, de detidos preventivos com "criminosos condenados", refere o relatório. 
 
O documento analisa a situação dos direitos humanos em quase 50 países, de todas as regiões do mundo, especificando vários dados estatísticos referentes, por exemplo, à acção das autoridades policiais, segurança, julgamentos, violência doméstica, liberdade religiosa e de expressão, corrupção e direitos civis e laborais. 
 
Apesar do relatório se reportar a 2012, no caso de Portugal alguns dados estatísticos remetem para 2011 e 2010, estando desactualizados em certos pontos. 
 
Citando dados da Direcção-Geral dos Serviços Prisionais, o relatório indica que em 2012 as prisões tinham 13.504 reclusos, o número mais alto dos últimos oito anos, com o sistema prisional a funcionar a 112% da capacidade. 
 
Apesar de terem sido denunciados casos de abuso de força das autoridades policiais, em particular nos cenários de manifestações civis ao longo de 2012, o relatório norte-americano reporta-se a dados de 2010, com a Inspecção-Geral da Administração Interna a receber 649 queixas contra a PSP e a GNR. 
 
O documento alerta ainda para o sistema de prisões preventivas, que continua a ter casos de demasiado longas detenções - a média é de oito meses.
 
"A violência contra mulheres, incluindo violência doméstica, continua a ser um problema", sublinham os Estados Unidos, recorrendo a dados de 2011 da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV), que dão conta de 15.724 crimes reportados. 
 
No entanto, dados da APAV de 2012 indicam um aumento para 16.970 crimes denunciados. 
 
Ao longo do documento é várias vezes citada a situação da comunidade romena em Portugal, nomeadamente sobre casos de adultos que recorrem a crianças para mendigar nas ruas e sobre a "discriminação social" que ainda persiste.
 
Portugal também é criticado por "ainda não ter aplicado efectivamente as leis" relativas ao trabalho forçado, denunciando a existência de casos de mulheres, crianças e homens ilegalmente recrutados, em particular prostituição infantil.