|

Marques Mendes

Salário de Catroga na EDP é “mais ou menos pornográfico”

13 jan, 2012

O social-democrata Eduardo Catroga vai ganhar mais de 45 mil euros por mês como presidente não executivo do Conselho Geral e de Supervisão da EDP.

Salário de Catroga na EDP é “mais ou menos pornográfico”
Salário de Catroga na EDP é “mais ou menos pornográfico”
O antigo líder do PSD Luís Marques Mendes não questiona a competência curricular e técnica de Eduardo Catroga, mas deixa reticências sobre o vencimento que o ex-ministro das Finanças vai auferir pelo cargo de presidente não executivo do Conselho Geral da EDP.

“Eu acho, no tempo que vivemos, que um salário desta natureza, para o tipo de função e, sobretudo, para uma empresa de monopólio, é um salário mais ou menos pornográfico. E acho que ficava bem à EDP ter aqui alguma moderação e algum bom senso, porque acho que é muito muito importante que as pessoas não se sintam, digamos assim, quase injustiçadas com este tipo de salário”, afirmou Mendes, na última noite, na TVI24.

O ex-líder social-democrata considera que, tratando-se de uma empresa privada, “que, na prática, actua em regime de monopólio”, não precisa de “tanta qualidade de gestão como noutros casos”.

A polémica das nomeações para a EDP e a Águas de Portugal obrigou ontem o primeiro-ministro a justificações públicas. Pedro Passos Coelho garantiu não ter interferido nas escolhas para a eléctrica e atribuiu a responsabilidade aos accionistas e, sobre as escolhas do Governo para a Águas de Portugal, afirmou não ser crime ser-se militante de um partido.

As nomeações para cargos de administração em empresas públicas foi o tema do programa da Renascença "Conselho de Directores", ontem à noite. O director do “Jornal de Negócios”, Pedro Santos Guerreiro, considerou pouco inocentes as nomeações de pessoas próximas dos partidos do Governo.

Para Henrique Monteiro, director Editorial do Grupo Impresa, não está em causa o mérito de Eduardo Catroga, mas sim o vencimento que o ex-ministro do PSD vai auferir.