O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.

Plataforma acusa polícia de incitar à violência na manifestação da greve geral

29 nov, 2011

A Plataforma 15 de Outubro referiu que há provas que comprovam esta acção da polícia e condena as declarações do ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, que elogiou o trabalho da polícia.
Plataforma acusa polícia de incitar à violência na manifestação da greve geral
Plataforma acusa polícia de incitar à violência na manifestação da greve geral
A Plataforma 15 de Outubro - que integra o movimento dos indignados - garante ter provas da presença de polícias à civil a incitarem à violência na manifestação de 24 de Novembro, e exige o apuramento de responsabilidades. Os representantes da plataforma afirmam que está a ser criada uma "narrativa de terror social", e condenaram as declarações do ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, que elogiou o trabalho da polícia durante a manifestação.

"Houve polícias à civil a incitar à violência" na manifestação do passado dia 24 de Novembro, dia da greve geral. A acusação é da Plataforma 15 de Outubro, que integra o movimento dos” indignados”, que garante mesmo ter provas. A pltaforma exige que se apurem responsabilidades.     

A Renascença já contactou a Direcção Nacional da PSP para obter uma reacção, mas não conseguiu, até ao momento, qualquer reposta.

Numa conferência de imprensa realizada hoje junto ao Ministério da Administração Interna, para "denunciar e condenar a violência policial" na manifestação do dia da greve geral em frente à Assembleia da República, o movimento considerou "ilegal" e "crime" a presença de polícias à civil a incitaram à violência.

Sofia Rajado, um dos membros da plataforma, referiu que há provas que comprovam esta acção da polícia. A plataforma também condena as declarações do ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, que elogiou o trabalho da polícia.

"O ministro veio dizer publicamente uma inverdade e isso tem que ter consequências", salientou João Camargo, outro elemento do movimento, adiantando que "há necessidade de averiguar e apurar essas responsabilidades".

Entre os sete detidos durante a manifestação não está qualquer membro da Plataforma 15 de Outubro, segundo os seus membros.

Entretanto, a PSP anunciou a abertura de um inquérito interno de averiguações sobre o vídeo das agressões a um jovem alemão após a manifestação.

Direcção Nacional não responde à Plataforma 15 de Outubro
A Direcção Nacional da PSP não responde às acusações do movimento dos Indignados de que "houve polícias à civil a incitar à violência".
 
Contactada pela Renascença, o porta-voz da PSP adianta que não há comentários a fazer esclarecendo apenas que esta policia possui uma rede de investigação criminal que utiliza em policiamentos.

(notícia actualizada às 21h45)