O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.

António Costa "é a continuação do Governo Sócrates"

20 mai, 2015 • Raquel Abecasis

Em entrevista à Renascença, o candidato presidencial Henrique Neto critica Cavaco Silva e acusa Sampaio da Nóvoa de nunca ter levantado a voz  contra o que de mau aconteceu nos últimos anos.
António Costa "é a continuação do Governo Sócrates"
António Costa "é a continuação do Governo Sócrates"
O actual PS "é a continuação do Governo de José Sócrates”, afirma o candidato presidencial Henrique Neto em entrevista ao programa “Terça à Noite” da Renascença. Numa entrevista em que se definiu como o único que surge com ideias claras e não ligado às “políticas desastrosas” que o país seguiu nos últimos anos, Henrique Neto critica o adversário na corrida presidencial Sampaio da Nóvoa.

O actual PS "é a continuação do Governo de José Sócrates”, afirma o candidato presidencial Henrique Neto em entrevista ao programa “Terça à Noite” da Renascença.

 O militante socialista diz que a direcção de António Costa é composta pelas mesmas pessoas que estiveram com José Sócrates.

“O próprio líder [António Costa] nunca se distanciou, bem pelo contrário, tem defendido as políticas do Governo de José Sócrates”, afirma o empresário.

Numa entrevista em que se definiu como o único que surge com ideias claras e não ligado às “políticas desastrosas” que o país seguiu nos últimos anos, Henrique Neto critica o adversário na corrida presidencial Sampaio da Nóvoa.

O antigo reitor da Universidade de Lisboa, acusa, nunca levantou a voz “contra tudo o que aconteceu durante o período do ex-primeiro-ministro José Sócrates, e mesmo durante o período deste Governo” de Passos Coelho e Paulo Portas.

Já quanto ao actual Presidente da República, Henrique Neto acusa Cavaco Silva de deixar os portugueses na ignorância em relação ao que se passou nas negociações entre partidos durante a crise de 2013.

“Os portugueses vão votar de olhos vendados”, afirma Henrique Neto, e sugere que o Presidente já devia ter contado o que se passou, “porque esse é um assunto da maior relevância para as próximas eleições”.