O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Ouvir Emissão
Acabou de Tocar ERIC CLAPTON - MY FATHER'S EYES Acabou de Tocar

Últimas NotíciasPaísMundoPolíticaEconomiaReligiãoCulturaSaúde e CiênciaInfo A-ZEspeciaisSínodoPodcast

Manifestações na Venezuela já fizeram dois mortos

13-02-2014 0:28
Várias cidades venezuelanas foram palco de manifestações a favor e contra o Governo.

Pelo menos dois mortos, 23 feridos e 25 detenções é o balanço provisório de um dia de protestos na Venezuela, anunciaram fontes oficiais.

"Até ao momento temos duas pessoas mortas", disse aos jornalistas a procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega Díaz, acrescentando que ambas foram atingidas por balas durante manifestações ocorridas no país, que deixaram  também pelo menos 23 feridos.

O ministro do Interior, Miguel Rodríguez, também referiu a existência de dois mortos e de 25 pessoas detidas por "agressão às forças policiais e com suficientes provas, como evidencia a destruição na Procuradoria", indicou, referindo-se a danos na fachada do edifício, em Caracas, e a carros da polícia queimados junto ao Ministério Público.

"Que todo o país saiba que em tudo o que ocorreu temos material fotográfico, filmes e gravações de diferentes ângulos. Sabemos com precisão quem praticou a violência", afirmou Luisa Ortega Díaz.

Várias cidades venezuelanas foram palco de manifestações a favor e contra o Governo, com a oposição a pedir mudanças e o 'Chavismo' a denunciar um plano para desestabilizar o país.

Um grupo que participava numa marcha da oposição separou-se do protesto, junto à Procuradoria-Geral da República, tendo ocorrido depois confrontos com a polícia, segundo testemunhou a agência EFE no local.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pediu ao longo do dia que  se evitasse a violência durante as manifestações.

PARTILHAR

  • PUB

Deixe aqui o seu comentário relativo a este artigo. Todos os comentários estão sujeitos a mediação.

Tem 1500 caracteres disponíveis

Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.


Entrar Renascença V+
"O Primeiro-ministro vive num país imaginário", diz Ferro Rodrigues



INFORMAÇÃO      BOLA BRANCA      PROGRAMAÇÃO      MÚSICA      MULTIMÉDIA      OPINIÃO