O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Ouvir Emissão
Acabou de Tocar SUSANA FELIX - MAIS OLHOS QUE BARRIGA Acabou de Tocar

Últimas NotíciasPaísMundoPolíticaEconomiaReligiãoCulturaSaúde e CiênciaInfo A-ZEspeciaisSínodoPodcast

Termina o prazo para professores pedirem isenção da prova de avaliação

Docentes contratados com mais de cinco ou mais anos de serviço, contabilizados até ao fim de Agosto de 2013, devem pedir para não fazer exame.
09-12-2013 9:25

Termina esta segunda-feira o prazo para os professores contratados, com cinco ou mais anos de serviço, para pedirem isenção da prova de avaliação.

O regime de isenção foi conhecido na semana passada. O Ministério da Educação já fez saber que vai devolver, por transferência bancária, os 20 euros que foram pagos pelos professores agora abrangidos pelo regime de excepção e que já se tinham inscrito na prova.

O pedido de isenção tem de ser feito via internet, no portal da tutela, até às 18h00.

De acordo com as indicações do ministério, o tempo de serviço docente é contabilizado até 31 de Agosto.

A prova de acesso à profissão tem sido fortemente contestada. Apesar de um recuo por parte do Ministério, a Fenprof manteve o pré-aviso de greve à prova, marcada para 18 de Dezembro.

Neste dia serão feitas provas na componente comum. A componente específica só vai realizar-se entre Março e em Abril de 2014.

PARTILHAR

Comentários (11)
  • » João Morgado, Lisboa, 09-12-2013 12:55

    Mas porque raio os professores não podem/devem fazer as provas e estarem sujeitos a avaliação??? Sou professor de ensino superior e os alunos no final de cada semestre avaliam os seus professores. E acho muito bem. Porque raio dizem que já têm uma licenciatura e isso é suficiente para estar no ensino??? Discordo da opinião do sr. José de Santo Tirso porque nas Universidades e Politécnicos há sempre bons alunos e maus alunos. Basta um aluno passar sempre com nota 10 e fica tão habilitado como alguém que passe com nota 16. Será isso culpa das Universidades e Politécnicos?? Penso que não. Numa entrevista que ouvi há uns dias uma senhora dizia que já era licenciada como os médicos, enginheiros e arquitectos e não precisava de fazer a prova para ensinar. Será que essa senhora não percebe que estas profissões têm de fazer os exames às respectivas Ordens???? Sou também Técnico Oficial de Contas e tive de fazer o exame de acesso à Ordem que me custou 200 € (duzentos euros). Apenas 10 vezes mais que o valor que têm de pagar. Não concordo com este modelo de exame mas sim da criação de uma Ordem dos Professores e fazerem o exame de acesso à mesma. Quem estiver na Ordem então ficará habilitado a ser professor. Cumprimentos, João Morgado
  • » A, ss, 09-12-2013 12:30

    Se vai haver prova esta deve ser para professores do Público e Privado.E não só do publico. Enfim
  • » José, lx, 09-12-2013 12:27

    Caros, Se é preciso uma prova de acesso à profissão então porque é que esta não é logo realizada no fim da Licenciatura? Outra questão que até agora nunca foi colocada (pelo menos que me recorde) é aquela que é mais importante: VOCAÇÃO PARA SER PROFESSOR! Falta a muitos ditos professores essa vocação. Sem vocação nunca se conseguirá nada a não ser o vencimento no fim do mês. Desculpem a minha indelicadeza mas são professores porque sim!
  • » Maria Novais, Lisboa, 09-12-2013 12:17

    Entre outros tantos exemplos, um licenciado em Direito, também tem que fazer prova de acesso à Ordem para exercer. Um TOC também tem que fazer exame de acesso à OTOC para poder exercer. Um engenheiro, também, tem de fazer exame para aceder à OE. Todos estes profissionais, além da Licenciatura e do estágio, têm que se submeter a esta prova de acesso às respetivas ordens, além de serem anualmente avaliados (ou acham que não?). Por que os professores não querem ser apreciados? O Ministério da Educação e Ciência devia era de uma vez por todas verificar a qualidade do ensino para a educação de determinadas instituições, onde, como toda a gente sabe, são entregues Licenciaturas, Mestrados e até Doutoramentos, sem a qualidade exigida noutras instituições. Depois vemos uma discrepância nas notas inacreditável. Os piores alunos apresentam as notas mais elevados, fruto de facilitismos, e os melhores alunos notas mais baixas. Isto tem que acabar. Conheço pessoalmente um professor de educação visual que por cada frase dá no mínimo um erro. E já deu aulas no ensino superior! Eu pergunto como isto é possível?
  • » José, Aveiro, 09-12-2013 12:16

    Mais uma vez os sindicatos defendem que tem trabalho e ignoram todos os outros. Eu não sou professor, mas se fosse um daqueles que é tratado como trabalhador temporário aceitaria ser avaliado. Aceitaria, não! exigiria ser avaliado e que todos os outros também o fossem. Talvez se descobrisse que os precários até têm melhores capacidades que os "efectivos".
  • PUB
  • » José, Aveiro, 09-12-2013 11:56

    Há quem tenha licenciaturas e doutoramentos que é avaliado até três vezes ao ano e caso reprove por motivos que só os avaliadores sabem fica sem emprego. Por isso sou a favor da avaliação dos professores.
  • » Mike, Lisboa, 09-12-2013 11:42

    Estes "professores" não têm vergonha...parecem políticos! Então é uma afronta total às excelências que façam uma prova de 20€..é muito caro e claramente estas criaturas superiores ao resto da sociedade não podem ser questionados, muito menos avaliados!
  • » jose, Sto Tirso, 09-12-2013 11:41

    Vamos, por uma vez, ser sérios e honestos,porra!O que é posto em causa, neste caso, são as UNIVERSIDADES!Este governo declara sem rodeios e com toda a desfaçatez que não confia no que elas produzem! E sabe porque é que elas estão caladinhas que nem ratazanas?Porque não querem indispor mais o "sr. menistro" que as ameaça de cortar no "carcanhol"...Quanto à prova pergunto: o"professor" não sai da universidade já formado para ensinar? O ensino privado também a vai fazer?Não serão os docentes mais antigos os que mais necessitam de reciclagem? Há entretanto gente que aproveita para descarregar o seu odiozinho contra tudo e contra todos, neste caso contra os professores mas diga-se, francamente,que muitos deles sempre se puseram a jeito, como os funcionários públicos em geral...Agora uma coisa é certa:nunca governo nenhum denegriu este pessoal como o fez e faz este.Nem a Lurdinhas!
  • » Dina Nobre, Evora, 09-12-2013 11:07

    O sr `Justo `tal como outras pessoas, não deviam opinar sobre o que desconhecem. Todos os professores, independentemente do tempo de serviço, foram avaliados em todas as disciplinas que faziam parte do currículo do curso frequentado, nos estágios pedagógicos que fazem parte do curso e anualmente nas escolas onde estão colocados,e quando é possível, com aulas observadas. O que está aqui em causa não é o receio da avaliação mas sim uma prova de 120 minutos que em nada vai provar a competência de um professor . Muito obrigada pela atenção !!!
  • » Francisco Fátima Martins, Faro, 09-12-2013 10:16

    Este Ministro da Educação, depois do organismo internacional ter vindo a público mostrar que Portugal até 2011 foi um dos países da Europa com grande sucesso no ensino da Matemática e Portugues,etc...,vem aglora exigir aos professores com mais de 5 anos de serviço que requeiram para não fazerem a prova a que tinham sido obrigados antes!...Mas que "brincadeira" vem a ser esta!?...Que assalto aos bolsos dos professores vem a ser este!?...Isto só denota uma coisa: Que este senhor não tem a noção do mal que está a originar no ensino em Portugal, acabando com tudo o que de bom foi feito pelo anterior governo e agora vem usar outras técnicas que só estão a levar de novo o ensino deste país para um dos piores da Europa!...Tenha maneiras, sr.Ministro e aproveite o que de bom se fez e não deite tudo para o lixo!...E se a sua competência não dá para mais, então só tem um caminho que é demitir-se e dar o lugar a quem faça melhor do que o senhor!...
  • PUB

Deixe aqui o seu comentário relativo a este artigo. Todos os comentários estão sujeitos a mediação.

Tem 1500 caracteres disponíveis

Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.


Entrar Renascença V+
Quem paga a travessia dos Pirinéus?



INFORMAÇÃO      BOLA BRANCA      PROGRAMAÇÃO      MÚSICA      MULTIMÉDIA      OPINIÃO