O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Ouvir Emissão
Acabou de Tocar LUIS REPRESAS - DA PRÓXIMA VEZ Acabou de Tocar

Últimas NotíciasPaísMundoPolíticaEconomiaReligiãoCulturaSaúde e CiênciaInfo A-ZEspeciaisSínodoPodcast

Governo dá "luz verde" à prova de avaliação dos professores

Primeira prova vai realizar-se até ao final deste ano e é obrigatória para os recém-licenciados e para os docentes que não são de carreira.
19-09-2013 17:05 por Fátima Casanova
O conselho de ministros aprovou, esta quinta-feira, o diploma que divide Ministério da Educação e sindicatos de professores: a prova de avaliação de conhecimentos e capacidades de acesso à carreira docente já está regulamentada.

A primeira prova vai realizar-se até ao final deste ano e é obrigatória para os recém-licenciados e para os docentes que não são de carreira.

O exame é constituído por uma componente comum a todos os candidatos, que será escrita. Mas, depois, pode também integrar uma componente específica relativa ao nível de ensino, área disciplinar ou grupo de recrutamento - esta segunda parte pode ser escrita, oral ou prática.

Para ingressar na carreira, os candidatos têm necessariamente de ter aprovação na prova, só assim podem candidatar-se ao concurso de recrutamento. Quem ficar reprovado pode sempre repetir noutros momentos.

A prova, contudo, tem validade: se ao fim de cinco anos os candidatos aprovados não tiverem desempenhado funções docentes correspondentes a um mínimo de um ano completo de serviço, têm de realizar novo exame.

É ainda estabelecida uma norma transitória segundo a qual os candidatos com cinco ou mais anos de serviço docente, que não fiquem aprovados, possam ser admitidos aos concursos que se realizem até ao final do próximo ano.

Está também definido que os candidatos que até ao final deste ano celebrem contratos de trabalho estão dispensados de obter aprovação na prova, mas têm de voltar a realizá-la no próximo ano.

O conselho de ministros regulamentou a prova de avaliação de acesso à carreira docente, que estava prevista desde 2007, mas nunca tinha sido implementada. Em comunicado, o Governo explica que com esta medida pretende aumentar a qualidade do ensino.

[notícia actualizada às 19h00]
PARTILHAR

Comentários (15)
  • » Mário Martins, Lisbo, 06-11-2013 10:00

    Trata-se da maior injustiça sobre os professores contratados. Basta ver a última lista da mobilidade e dos concursos para ver quanta gente dos quadros de professores concorrem com a letra "O" de outras formações nem bacharéis são. Atente-se aos números de bacharéis nas mesmas listas: Veja-se o panorama neste universo e tirem-se conclusões. E só querem provas aos contratados muitos deles com pós graduações e mestrados ou a terminarem os mesmos. Será que estes professores do quadro estão mais capazes que os contratados? Tanto tempo ao serviço e não conseguiram acabar o curso ou não quiseram- Por aqui se vê a dedicação à profissão. A verdade dos factos é que também ganham mais que qualquer contratado com mestrado ou doutoramento. Parabéns srs. ministros e secretários de estado pela injustiça engendrada para proteger uns e lixar os outros. Ficou patente a vossa seriedade intelectual. Sr. Nuno Crato onde está a sua meritocracia tão bem explanada no programa televisivo Plano Inclinado...
  • » Nuno Amaral, Portimão, 20-09-2013 13:32

    Pergunto, o Sr. Relvas, Sócrates e outros da mesma estirpe também fizeram exame para fazerem parte do governo, governo esse, que só tem dado provas da sua incompetência. Se querem colocar uma prova de ingresso então, o governo que dê o exemplo porque esses sim, arruinaram o país e famílias inteiras. EMIGREM porque não fazem cá falta nenhuma, corruptos, malandros….
  • » Manela, Samora, 20-09-2013 11:36

    Os Políticos deveriam fazer uma prova do mesmo tipo para avaliar as suas capacidades, visto que a culpa do ensino estar como está e não ser melhor se deve aos nossos sucessivos governantes e a quem legisla!
  • » FFV, Braga, 20-09-2013 8:41

    Para que serviu os cinco ou mais anos nas universidades? O que andaram a fazer este tempo todo os alunos? Formaram-se para quê? Isto é só para excluírem os professores! Tenham vergonha! Os políticos é que deveriam ter provas para os cargos que exercem, porque estes sim, é que andam a arruinar o país porque não sabem o que fazem! Um bando de incompetentes.
  • » Macela, Porto, 20-09-2013 8:37

    Todos os professores, para além da formação específica na matéria que vão ensinar, deveriam saber falar e escrever português sem erros de bradar aos céus. Quantas vezes já ouvimos :"HOUVERAM" dias; 8º e 9º "ANO"; 1ª e 2ª "AVALIAÇÃO"; tu "FIZESTES"; "DIRIA-SE", "FÁÇAMOS", etc. Na escrita ainda a desgraça é maior, mas adiante. Quanto a conhecimentos gerais de nível básico, nem é bom falar. Há mesmo quem não consiga estabelecer uma relação de grandeza entre, por exemplo, 5/7 e 4/3. Tudo coisas complicadíssimas...
  • PUB
  • » Paulo, Nelas, 19-09-2013 23:53

    Esta prova ou é para todos ou não é para ninguém! Quero ver os quadros a luta contra isto!
  • » ribeiro, porto, 19-09-2013 23:10

    Concordo. No entanto, penso que numa primeira fase, todos os professores, do quadro e contratados e, como um ponto de partida para nivelar conhecimentos, desde os recém-licenciados, a prova fazia sentido ser aplicada ao universo docente. Sendo só para os principiantes e para muitos professores que já contam, alguns deles, duas décadas de ensino, calcorreando o país como o caracol, de casa às costas, auferindo um terço do salário de um seu colega posicionado no topo da carreira, sempre a leccionar "sobras" e sem beneficiar de reduções de horário, parece-me injusto e, mais uma vez, castigar os mais fracos. Por esta via, o ministro vai alcançar o seu objectivo de ver as listas diminuídas. Um outro reparo para a sociedade civil que, face a esta medida, que me parece discriminatória, não se ter insurgido e pelo contrário até a ter apoiado. O governo, em duas penadas, passou um certificado de incompetência aos senhores Reitores de todas as Universidades e outras escolas de Ensino Superior de Portugal.
  • » Delgado, Trancoso, 19-09-2013 22:59

    Coitado do Sr. Ministro da Educação, será que ele fez prova de acesso à carreira politica? como educador. Acho que não, pois se o fizesse, o resultado da prova de acesso seria menos de ZERO. Este senhor tal como os seus colegas de governo deviam é ter vergonha da maneira como querem pôr este país.
  • » Jacinto Vicente, Escalhão, 19-09-2013 22:57

    A único função que precisa de prova de avaliação é a de político para assim se evitar que continuemos a ser governados por bando de incompetentes que acham que podem decidir a vida de todos. Eles é curso tirados aos domingos e feriados ou com equivalências ( já para não falar a nível matemática pois está visto que aos anos que não passam um só que consiga fazer as simples contas de somar, subtrair, dividir e multiplicar) e de depois pensam que estão habilitados para decidir algo sobre pessoas que sabem mais que eles. Com os juízes não se atrevem eles pois podem estes reformar -se cedo e a ganhar bem, mas se estes não fossem parte do problema havia mais políticos presos.
  • » Alexandra Sobral, Braga, 19-09-2013 22:05

    E para quando um exame para os políticos? Às sua capacidades, conhecimentos, sentido de justiça, ética...
  • PUB

Deixe aqui o seu comentário relativo a este artigo. Todos os comentários estão sujeitos a mediação.

Tem 1500 caracteres disponíveis

Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.


Entrar Renascença V+
Há jihadistas portugueses que querem voltar



INFORMAÇÃO      BOLA BRANCA      PROGRAMAÇÃO      MÚSICA      MULTIMÉDIA      OPINIÃO