O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Ouvir Emissão
Acabou de Tocar RUI VELOSO - PAIXÃO ( Segundo Nicolau da Viola ) Acabou de Tocar

Últimas NotíciasPaísMundoPolíticaEconomiaReligiãoCulturaSaúde e CiênciaInfo A-ZEspeciaisPodcast

Menos impostos para quem cumpre? Ideia é boa mas difícil de pôr em prática

Especialistas comentam baixa de impostos a cumpridores

Especialistas defendem redução da carga fiscal, mas acusam o Governo de ser pouco sério e de avançar com uma hipótese que dificilmente a máquina fiscal consegue suportar.
26-06-2013 14:23 por Manuela Pires

A ideia é boa mas difícil de pôr em prática. É o que dizem os especialistas ouvidos pela Renascença em relação à ideia do ministro das Finanças sobre a hipótese de reduzir os impostos para os contribuintes cumpridores.

Vítor Gaspar admitiu na terça-feira, no Parlamento, a hipótese mas recusou dizer quando e que tipo de impostos podem ser abrangidos. 

Em declarações à Renascença, o fiscalista Tiago Caiado Guerreiro diz que faz todo o sentido baixar impostos, “porque o aumento da carga fiscal está deixar fugir para o estrangeiro os rendimentos mais elevados”.

No entanto, considera que a ideia de Vítor Gaspar não é fácil de pôr em prática por causa da máquina fiscal. E dá o exemplo do Imposto Único de Circulação: “muitos contribuintes estão agora a ser notificados quando já pagaram o imposto, ou seja, as pessoas ficam em situação de incumprimento quando já tinha pago”.

Já o bastonário da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas considera que até há forma da ideia ser concretizada, sugerindo, por exemplo, que o Governo dê “um benefício fiscal de 10% da colecta, no IRS, para distinguir os contribuintes cumpridores”.

Domingues Azevedo tem, no entanto, dificuldade em entender “a falta de coerência do Governo”, considerando até esta uma atitude pouco séria por parte do Executivo.

“Acho muito difícil que quem nos governa quer agora alargar o cerco, mas depois temos um orçamento rectificativo que retira 10% às baixas médicas e mais um corte de 5% aos desempregados. É incompreensível, parece uma conversa de putos que estão a brincar com outros putos”, remata.

PARTILHAR

Comentários (4)
  • » Será, Cádaterra, 26-06-2013 17:42

    Será? Eu não acho. Falta qualquer coisa, mas só isso não é sufeciente.
  • » Joker, P Abano, 26-06-2013 16:56

    Menos impostos para quem cumpre ? Pago para ver o Victor Gaspar a elaborar o esboço desta medida. Deve ser de partir a rir. Asneira por asneira é mais fácil duplicar e criminalizar para quem não cumpre do que este " brilhante e iluminado momento de pura poesia " Gaspariana. Tenho um pequeno feeling que este senhor ainda vão " inscrever " o nome no World Book of Guiness, a par de Jorge Jesus. Adivinhem em quê ? Isso mesmo, naquilo que todos nós pensamos diáriamente, mas que " não se pode dizer porque eles " andem aí " . Ah, AH,,AH......
  • » ANDP, Porto, 26-06-2013 16:53

    A resposta abaixo diz tudo sobre o estado a que chegou o País, nem sequer vale a pena gastarmos prosa a comentar ... só corrigimos o corte (pelo menos a tentativa) que são 6% e não 5% para os desempregados. Domingues Azevedo tem, no entanto, dificuldade em entender “a falta de coerência do Governo”, considerando até esta uma atitude pouco séria por parte do Executivo. “Acho muito difícil que quem nos governa quer agora alargar o cerco, mas depois temos um orçamento rectificativo que retira 10% às baixas médicas e mais um corte de 5% aos desempregados. É incompreensível, parece uma conversa de putos que estão a brincar com outros putos”, remata.
  • » couceiro, Covilhã, 26-06-2013 15:52

    Este governo é uma cambada de incoerentes, inconsequentes e de mentes retrógradas...

Deixe aqui o seu comentário relativo a este artigo. Todos os comentários estão sujeitos a mediação.

Tem 1500 caracteres disponíveis

Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.


Entrar Renascença V+
À procura do Ideal. Há um cinema que nos quer provocar



INFORMAÇÃO      BOLA BRANCA      PROGRAMAÇÃO      MÚSICA      MULTIMÉDIA      OPINIÃO