A pergunta da Renascença que, em 2011, incomodou José Sócrates