O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Os caminhos de Lisboa

Lapa, o bairro que nasceu depois do terramoto

28 fev, 2018 - 14:01 • Joana Bourgard e João Carlos Malta

Uma viagem pelas ruas da Lapa, o bairro que nasceu depois do terramoto de Lisboa. Uma visita sonora que começa na Basílica da Estrela e acaba quase junto ao rio. Há espiões, freiras "agentes imobiliárias" e histórias que se escondem em cada edificio, esquina e rua.
A+ / A-
Lapa, o bairro que nasceu depois do terramoto
Lapa, o bairro que nasceu depois do terramoto

Após o Terramoto de 1755, nasceu um novo bairro em terras de “Buenos Aires”, que pertenciam à Casa do Infantado. Para este local, considerado seguro e saudável, fugiram muitos dos lisboetas que escaparam à fúria da destruição e aos escombros do sismo de 1755.

Assim ganhava forma aquele que ficou conhecido como o bairro da Lapa, devido a uma evocação de Nossa Senhora, cuja ermida já existia. Freguesia desde 1770.

A Renascença acompanhou a visita guiada organizada pela Câmara de Lisboa, com a historiadora Mónica Queiroz, a uma Lapa que é uma zona "simultaneamente popular e aristocrata", cheia de histórias, curiosidades e património.

Um itinerário que teve como ponto de partida a magnífica Basílica da Estrela e se desenrola colina abaixo, percorrendo os principais palácios, ruas e capelas deste bairro característico de Lisboa.

PERCURSO:


  • Basílica da Estrela
  • Rua João de Deus
  • Rua de Buenos Aires
  • Rua de São Domingos à Lapa
  • Rua da Lapa - Igreja da Lapa
  • Rua dos Remédios à Lapa
  • Rua de São Caetano
  • Rua de São Francisco de Borgia
  • Rua do Conde
  • Rua das Janelas Verdes
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.